O PODEROSO CHEFÃO – PARTE III (1990)

(The Godfather: Part III)

 

Videoteca do Beto #74

Dirigido por Francis Ford Coppola.

Elenco: Al Pacino, Diane Keaton, Talia Shire, Andy Garcia, Eli Wallach, Joe Mantegna, George Hamilton, Sofia Coppola, Bridget Fonda, Raf Vallone, Franc D’Ambrosio, Donal Donnelly, Richard Bright, Helmut Berger, Don Novello, John Savage, Vittorio Duse e Al Martino.

Roteiro: Mario Puzo e Francis Ford Coppola, baseado em livro de Mario Puzo.

Produção: Francis Ford Coppola.

[Antes de qualquer coisa, gostaria de pedir que só leia esta crítica se já tiver assistido ao filme. Para fazer uma análise mais detalhada é necessário citar cenas importantes da trama].

No capítulo final da consagrada saga da família Corleone, Coppola entrega um filme corajoso, abordando um tema polêmico e amarrando todas as pontas da trama, sem jamais fugir das principais características da trilogia. Além disso, completa de forma magnífica a trajetória de Michael Corleone, com o desfecho trágico e comovente desta história de ascensão, poder, glória e decadência. Tudo está presente com força total neste “O Poderoso Chefão – Parte III”, as atuações de grande nível (com apenas uma exceção), a fotografia sombria, a trilha evocativa, a direção segura, a violência e o realismo. Trata-se, portanto, de um filho legitimo da saga dos mafiosos, injustamente retratado como inferior aos outros por muitos cinéfilos. Se não é um filme perfeito, seus pequenos problemas (leia-se, Sofia Coppola), não são suficientes para tirar o brilhantismo deste capitulo final.

Muitos anos após ordenar a morte de seu irmão Fredo, Michael Corleone (Al Pacino) recebe um dos títulos mais importantes dados pela igreja católica, a Ordem de San Sebastian, após fazer uma doação de 100 milhões de dólares em nome da fundação Vito Corleone, comandada por sua filha Mary (Sofia Coppola). Durante a festa de celebração, ele recebe seu sobrinho Vicent (Andy Garcia), que conta com o apoio de Connie (Talia Shire) para trabalhar com o tio, ao invés de continuar com Joey Zasa (Joe Mantegna), o atual dono da área anteriormente comandada pelos Corleone. Enquanto isto, um arcebispo (Donal Donnelly) oferece para Michael o controle majoritário de uma importante empresa que pertence à Igreja por 600 milhões de dólares, valor que ajudaria a cobrir o déficit da igreja, mas esta oferta desperta a ira de vários integrantes do clero.

“O Poderoso Chefão – Parte III” é um filme magnífico, que conta com todas as principais características da trilogia, como já citado anteriormente. Logo nos primeiros planos, Coppola nos apresenta o resultado das atitudes de Michael no passado, através dos planos que passeiam pela casa abandonada, ilustrando a destruição daquela família. Em certo momento, antes mesmo de aceitar seu sobrinho em seus negócios, Michael é apresentado afundado em sua cadeira, mergulhado nas sombras, o que além de manter a característica visual dos filmes anteriores, ilustra o momento sombrio na vida daquele homem, divorciado, doente e em decadência. E é justamente esta derradeira caminhada de Michael, agora um homem amargurado em constante busca por redenção, que vai guiar a narrativa, contrapondo seu modo de ver as coisas com a impulsividade de seu sobrinho, um reflexo vivo e real de sua própria juventude. Além disso, o roteiro escrito por Mario Puzo e Francis Ford Coppola (baseado em livro de Mario Puzo), insere um novo e corajoso elemento na trama, ao abordar os escândalos da igreja católica e a suspeita morte do Papa João Paulo I (mantendo a tradição de ligar a família de mafiosos a fatos importantes da história), além de mostrar os negócios obscuros da igreja, simbolizados até mesmo através de pequenos gestos que desmistificam o clero, como o arcebispo fumando um cigarro (algo que a igreja condena). Na realidade, nada seria mais apropriado do que inserir a igreja numa trama repleta de culpa e arrependimento. Como de costume, Coppola também mantém a violência e o realismo, notável, por exemplo, na tensa invasão da casa de Vicent, no massacre promovido por Joey Zasa e na surpreendente morte do mesmo Zasa.

Por outro lado, o ritmo da narrativa é claramente mais lento que nos filmes anteriores, e da mesma forma, aborda uma gama menor de personagens, o que não diminui a qualidade da intrincada trama, reforçada pela citada coragem temática. Este ritmo mais lento é provocado pela necessidade de explicar o destino de alguns personagens ausentes, como Tom Hagen, e até mesmo pelos momentos que envolvem a paixão de Mary e Vicent, que se revela vital para o trágico desfecho da trama. Obviamente, a montagem de Lisa Fruchtman, Barry Malkin e Walter Murch colabora neste aspecto, ao balancear muito bem estas cenas mais lentas com as empolgantes seqüências citadas acima, que envolvem violência e muita tensão. Além disso, se destaca especialmente na seqüência da ópera, alternando entre as diversas ações paralelas com fluidez, mantendo a atenção do espectador. Finalmente, vale destacar como “O Poderoso Chefão – Parte III” mantém a mesma estrutura narrativa das partes I e II, iniciando com uma festa e com Michael resolvendo os problemas em sua sala, passando pela tradicional foto da família, em que Michael faz questão da presença de Vicent, partindo para a proliferação dos problemas e conflitos e, na derradeira rima narrativa que acontece durante a ópera, culminando com o momento em que Vicent, assim como Michael no passado, resolve todos os seus problemas de uma vez, eliminando os principais obstáculos de seu caminho.

Nos aspectos técnicos, “O Poderoso Chefão – Parte III” também não deixa nada a desejar. A sempre espetacular direção de fotografia de Gordon Willis adota um tom sépia para destacar a melancolia daquele império em decadência, além de manter seu estilo sombrio, carregando nos tons de preto e mergulhando os personagens nas sombras, ainda que neste capítulo final estes tons sombrios apareçam com menor freqüência. Também marca presença novamente o marcante tema composto por Nino Rota, fazendo parte da trilha sonora comandada por Carmine Coppola (pai de Francis), que também insere outras belas músicas, como a clássica ópera Cavalleria Rusticana, de Pietro Mascagni, na cena mais emblemática e emocionante do filme. E o que podemos dizer da excepcional maquiagem, que transforma os atores e envelhece os personagens com perfeição? Ainda que o longa tenha sido produzido 16 anos após o segundo capítulo e, evidentemente, os atores também estivessem mais velhos, personagens como Michael, Kay e Connie deveriam aparentar ainda mais velhos após tanto sofrimento, e isto de fato acontece graças ao bom trabalho de maquiagem. Completando o fabuloso trabalho técnico, a direção de arte de Alex Tavoularis reflete a decadência da família Corleone através da casa abandonada no inicio, além de recriar com perfeição a Nova York do final dos anos 70, e os figurinos de Milena Canonero mantém o marcante visual dos gângsteres da trilogia.

E chegamos então ao elenco liderado por Al Pacino, que está mais contido, refletindo muito bem o quanto Michael está maduro. Ainda assim, seu temperamento explosivo aflora em certos momentos, algo que o ator demonstra muito bem, por exemplo, quando Michael se irrita, se controla e mostra autoridade na conversa com Vicent, Connie e Neri, após a morte de Zasa. Tentando “limpar” os negócios da família (e sua própria consciência) através da compra da Immobiliare, Michael é trazido de volta para o conflito quando menos espera, algo refletido na célebre frase “justo quando pensei estar fora, eles me arrastam de volta”. Mais controlado, mas ainda ambicioso, ele é obrigado a conviver diariamente com o peso de seu passado enquanto busca por redenção, algo que Pacino também transmite com muita competência, especialmente na excepcional cena em que se confessa para o padre, mostrando o quanto ele sofre por tudo que fez (principalmente, por ter ordenado a morte de Fredo). Por outro lado, o tempo trouxe sabedoria ao líder dos Corleone, o que permite que ele aconselhe o sobrinho Vicent sobre o perigo que sua relação com Mary representava, até mesmo porque o próprio Michael viveu esta situação no passado. Sempre inteligente, Michael usa o interesse de Vicent por sua filha para descobrir os planos de Altobello (Eli Wallach), e o sobrinho entende perfeitamente os recados do tio. Interpretado com competência por Andy Garcia, Vicent lembra bastante o seu pai Sonny, com seu temperamento explosivo. Inicialmente, não se envolve muito com a família (o que, por sua vez, remete ao seu tio Michael, também explosivo quando jovem e evitando se envolver nos negócios da família), entrando na sala do tio de jaqueta e com uma bebida na mão, mostrando que nem sequer sabia seguir as formalidades exigidas na ocasião. Em certo momento, ele diz algo que não deveria e Michael o aconselha a “nunca deixar alguém saber o que ele está pensando”, repetindo uma situação vivida no passado por Vito e Sonny. Por outro lado, Vicent demonstra esperteza na conversa com Altobello, convencendo o mafioso de seu interesse em trabalhar com ele, e acaba se mostrando o homem ideal para tocar os negócios da família, justamente por apresentar uma mistura de características marcantes dos filhos de Don Vito. Não podemos deixar de citar ainda Diane Keaton, que novamente se destaca vivendo a amargurada e sofrida Kay, principalmente durante a conversa que tem com Michael na Sicília, onde ela deixa evidente todos os conflitos de sentimentos da personagem, e Talia Shire, novamente em desempenho excepcional na pele de Connie, agora já conformada com os métodos do irmão e até mesmo incentivando o sobrinho a seguir o mesmo caminho. Também é inegável que ver o ótimo Eli Wallach (o “Feio” de “Três Homens em Conflito”) com um papel de destaque como o de Don Altobello é extremamente agradável e interessante. E finalmente, a totalmente inexpressiva Sofia Coppola não consegue se sustentar em nenhuma participação, mas felizmente seu personagem não compromete a trama, já que sua participação mais importante acontece justamente quando é assassinada (e felizmente, Sofia seguiu a carreira de diretora, onde é infinitamente mais competente).

Quando Michael passa o bastão para Vicent, agora Don Vicenzo, e se retira, o espectador sabe que ali está se encerrando um ciclo e pressente, com tristeza, o fim de toda a saga dos Corleone (“Não posso mais fazê-lo”, diz Michael). Chega ao fim também o excepcional arco dramático de Michael Corleone, o filho protegido de Vito, que não seguiria os caminhos obscuros da família, mas que, por amor ao pai, acabou se envolvendo, se transformando no chefe do grupo e destruindo tudo que amava para chegar ao poder. Agora, só restava a inevitável decadência, ironicamente, distante de todos que ele realmente amava. Por isso, é comovente ver o esforço do pai para buscar uma reaproximação com os filhos, o que infelizmente, leva ao trágico destino de Mary. E este final trágico é também uma das cenas mais emblemáticas e marcantes de toda a saga, com Michael descendo às escadarias, o tiro surgindo repentino, a filha caindo ferida e a morte inevitável e implacável. O grito, suplantado pela triste música e, em seguida, a música, suplantada pelo grito desesperado do pai que perdeu o que mais amava, simboliza também que chegava o triste fim para aquele homem poderoso. Era inevitável que os Corleone, ao decidir participar e interferir daquela forma em tantos e diversificados negócios e na vida de tantas pessoas perigosas, acabassem um dia provocando a morte de pessoas da família, que não tinham nenhuma ligação com a máfia. Infelizmente, este dia chegou, e a tragédia estava consumando também o fim de uma era, a era “O Poderoso Chefão” – e o espectador sabe disso. Assim como o pai, Michael termina solitário, silencioso e jogado ao chão. E quando a música sobe e a tela fica escura, o espectador sabe que testemunhou o fim de uma das grandes sagas da história do cinema mundial.

Coppola encerra sua maravilhosa trilogia de maneira belíssima e marcante, inserindo novos elementos na trama para mostrar a decadência completa de um homem extremamente poderoso e ambicioso, que na busca por proteger sua amada família, acabou alimentando sua infindável sede por poder. Como conseqüência, se afastou de todos que amava e, ao buscar sua redenção, encontrou numa escadaria, na terra natal de seu pai, o seu triste fim. Fisicamente, Michael não morreu naquelas escadarias, mas a elipse de muitos anos que salta para a sua morte solitária na cadeira simboliza que, na pratica, a vida de Michael Corleone terminou mesmo ali.

Texto publicado em 06 de Dezembro de 2010 por Roberto Siqueira

About these ads

Tags: , , , , , , , , ,

34 Respostas to “O PODEROSO CHEFÃO – PARTE III (1990)”

  1. Lucas Says:

    Oi

  2. Lucas Says:

    Eu adorei esse filme. Mas eu achei o Poderoso chefão 2 muito sombrio e triste. Tive pena da Kay.O primeiro e esse terceiro são bons. Maravilhosos. Roberto, o que você acha do 2?

  3. hudson Says:

    e o machael conseguiu aquele tratado com a igreja e a familia tomou posse da imobiliare e ele morreu na sicilia sem ninguem cuidar dele assim abandonado

  4. Renatha Soldan Says:

    Acho uma opnião muito preguiçosa quem fala que esta parte 3 esta muito a baixo das demais. Considero a parte 3 um final com chave de ouro para uma belissa trilogia. A cena da escadaria é tão linda e perfeita no sentido tecnico que não consigo conter as lagrimas.
    Realmente não entendo como alguns veneram filmes ruins e criticam OPC3 pelo simples fato de ser um POUCO mais fraca que a 2 e a 1. Provavelmente de nada entendem de cinema.
    Parabéns pelas criticas da trilogia, você é o rei das palavras.

  5. Álvaro Dutra Says:

    Que análise espetacular!

  6. Mateus Aquino Says:

    A Série inteira é uma obra prima sem igual. Os 3 filmes são Obra Primas. Nesse 3º teve uma parte que eu não consegui conter as lágrimas. É na parte que o filho do Michael, canta a música “Brucia la Terra” para o seu pai, e então ele começa a lembrar do seu casamento na Sicíia com uma mulher jovem, que é assassinada prematuramente. Aquela parte foi impossível de conter as lágrimas.

  7. Icarus Says:

    Extraordinário. A cena final da Trilogia, com o grito de Michael e a música de fundo me deixa com sentimentos conflitantes. Fico maravilhado e triste com a idéia de que muito dificilmente irei assistir algo parecido, seria bom parar o tempo neste momento. Mas se fosse tudo tão intenso não teria graça. Difícil apontar o que é melhor nesta trilogia, a melhor de todos os tempos, mas pessoalmente, considero a segunda parte a menos boa. Enfim, creio que passarei o resto da minha tentando reviver em um filme as emoções sentidas em o poderoso chefão. A análise técnica feita por você é precisa, já o sentimento experimentado ao assistir esta saga é coisa de cada um. Minha primeira visita e muito proveitosa, pretendo futuramente apreciar suas análises sobre obras salutares. Até mais!

    • Roberto Siqueira Says:

      Obrigado pelo elogio e pelo comentário Icarus.
      Fico feliz! Fique à vontade para comentar sempre que quiser.
      Abraço.

  8. Marcelo Says:

    Teve um amigo que resumiu bem a trilogia. Uma história super bem contada em 3 partes. Mas não são 3 partes. A história é contada em 4 partes. Lembremos que na segunda parte, o filme é dividido de maneira perfeita em 2 partes. Até hoje, poucos, incluindo o próprio Coppola atingiu tal perfeição em um filme, muito menos em uma trilogia…

  9. Tayná Says:

    Sensacional! A morte da Sofia doeu em mim. Tive vontade de sofrer junto ao Michael.

  10. cross98 Says:

    Extremamente inferior aos 2 primeiros , mas mesmo assim um bom filme. ” o filme não é perfeito, tem problemas como le Sofia Coppola”. euri

  11. francisco Says:

    Gostaria de expor meu ponto de vista nesta discussão interessante, ou seja , com relação ‘ao melhor da série’…talvez seja uma oportunidade de se abrir um debate (e vai como sugestão também) sôbre a preferência das pessoas no tocante a filmes importantes que tiveram continuação (e pelo mesmo diretor), uma vez que eu estou sempre propenso a preferir o ‘primeiro’ talvez por representar a idéia original, a essência, a novidade, etc. e por isso, acredito que atrai mais o lado emocional. E no caso da trilogia ‘Chefão ‘ é mais que isso…mas basta lembrar que só o ‘primeiro’ tem Marlon Brando.

    Roberto… Felicitações pelo casamento, pela sua viagem e pela excelente matéria sôbre A Cidade Luz…um abraço!

    • Roberto Siqueira Says:

      Olá Francisco,
      Eu também normalmente prefiro o primeiro, exceto em casos como “O Poderoso Chefão” e “De Volta para o Futuro” em que a estrutura narrativa é tão perfeita que nem parecem filmes diferentes e sim um longo filme de nove horas (ou seis horas no segundo caso).
      Acho sua sugestão válida e vou pensar numa pesquisa do tipo.
      Obrigado pelos elogios. Nesta semana sairá um novo texto sobre outra cidade européia que me encanta.
      Abraço.

  12. Anônimo Says:

    Eu devo ser a única pessoa que prefere a parte III.
    Gente, é preciso bater palmas para o coppola que não se acovardou e fez um final feliz, digamos assim.
    Esse cpítulo todo é consequencia dos atos do próprio Michael, ele fez e recebeu.

    • Roberto Siqueira Says:

      Concordo que Coppola acertou a mão e fez um final coerente com a trajetória da família e com as atitudes de Michael.
      Não tenho preferência por um dos três filmes, gosto de todos e vejo como uma única história contada em três partes.
      Abraço.

    • Lucas Says:

      Michael se arrepende de tudo que fez. Ele até chora diante do Padre

  13. Marco Antonio Says:

    Michael não tem temperamento explosivo (o Sonny sim) !!!
    Michael é enérgico e não tolera traição e fraqueza de espírito !!!
    Sofia está bem no papel !!!
    Ruím é o personagem de Sofia, a Mary é uma pessoa travada por ter crescido em meio a violência !!!
    O império nunca esteve decadente, pelo contrário, em PC III é o momento que ele está atingindo o topo !!!
    Obrrgado,
    MAF

    • Roberto Siqueira Says:

      Olá Marco Antonio.
      Em primeiro lugar, agradeço a visita e o comentário.
      Como você pode ver na crítica, discordo da sua opinião. Michael sempre se mostrou enérgico, em todos os filmes, Sofia é uma atriz fraca (e uma diretora excelente!), mas não compromete o filme em nada, e vejo o império decadente, em menor escala que o próprio Michael, é verdade. Mas, acima de tudo, respeito sua opinião e agradeço novamente o comentário, ok?
      Abraço!

    • John Says:

      concordo plenamente, o único que estava em decadência era o Michael, pois tinha perdido tudo o que o importava mas de resto a família tinha muito mais dinheiro e poder, aniquilou todos os inimigos e tinha um baita de um sucessor , pó e esses caras dizem que entendem de cinema affffffffff

    • Roberto Siqueira Says:

      Olá John,
      Discordo de sua opinião, mas respeito sua visão, ok? E isto não faz de mim ou de você mais ou menos entendidos de cinema. São apenas opiniões divergentes.
      Um abraço.

    • LUSKAS Says:

      Michael sempre foi um homem enérgico e de temperamento explosivo como Sonny, mas acho que ele é capaz de raciocinar bem e pensa antes de agir, diferente do Sonny. Acho que Michael pode explodir algumas vezes mas pensa bem antes de agir, coisa que Sonny não faz nunca.Mike pode fazer coisas loucas (como matar o pobre Fredo) mas Sonny é um cara muito mais explosivo e não pensa antes de pegar a metralhadora e matar Barack Obama, por exemplo. Para terminar, gostaria de dizer que a critica, Roberto estava muito bem feita e escrita. Quando terminar a faculdade quero escrever como você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 105 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: