BATMAN – O CAVALEIRO DAS TREVAS (2008)

(The Dark Knight) 

5 Estrelas 

Filmes em Geral #3

Dirigido por Christopher Nolan.

Elenco: Christian Bale, Heath Ledger, Aaron Eckhart, Maggie Gyllenhall, Michael Caine, Morgan Freeman, Gary Oldman, Eric Roberts, Cillian Murphy, Anthony Michael Hall, Monique Curnen, Nestor Carbonell, Joshua Harto, Melinda McCraw e Nathan Gamble. 

Roteiro: Jonathan Nolan e Christopher Nolan, baseado em estória de Christopher Nolan e David S. Goyer e nos personagens criados por Bob Kane. 

Produção: Christopher Nolan, Charles Roven e Emma Thomas. 

Cavaleiro das Trevas

Filmes baseados em heróis dos quadrinhos costumam oferecer boas produções no cinema, sejam eles mais famosos (Homem-Aranha) ou menos conhecidos por parte do grande público (V de Vingança). Melhor ainda é quando estes filmes oferecem mais do que diversão, contendo narrativas inteligentes e personagens complexos. Pois este excelente Batman – O Cavaleiro das Trevas consegue ser muito mais que apenas um filme de super-herói, alcançando um peso dramático e uma carga de tensão do mais alto nível, tornando-se um filme de ação diferenciado e acima da média. Ao contrário do visual esplendido que Tim Burton empregava em seus filmes do homem-morcego, recheado de personagens rasos e propositalmente distantes da realidade, Christopher Nolan investe no peso dramático e na ambigüidade, oferecendo personagens fascinantes e uma narrativa maravilhosa.

Desde que Batman (Christian Bale) iniciou sua luta contra o crime organizado na cidade, os criminosos não conseguem mais ter vida fácil. Com o apoio do incorruptível promotor de justiça Harvey Dent (Aaron Eckhart) e do inteligente tenente James Gordon (Gary Oldman), o misterioso homem mascarado conseguiu sucesso em sua empreitada e despertou a ira dos criminosos. Ciente do poder de inibição que o herói provoca nos criminosos, Gordon utiliza a imagem projetada no céu com freqüência para controlar o crime. Por outro lado, pessoas comuns passaram a se vestir como Batman, o que evidentemente se tornou algo perigoso, já que estas pessoas não são capacitadas para combater os perigosos criminosos. Desesperados e sem muita saída, um grupo de mafiosos aceita a proposta de um estranho homem que usa maquiagem para esconder suas cicatrizes conhecido como Coringa (Heath Ledger), que ofereceu seus serviços para eliminar o homem-morcego da cidade.

Dirigido com competência por Christopher Nolan, o filme inicia em ritmo alucinante mostrando diversas ações paralelas que formarão a base da narrativa. Auxiliado pelo excelente trabalho de montagem de Lee Smith, que consegue manter o foco em todas estas ações paralelas e este ritmo acelerado durante todo o filme sem se tornar cansativo, Nolan consegue captar a atenção do espectador e nos jogar pra dentro da trama de forma muito convincente. Além disso, o inicio consegue introduzir de maneira exemplar o personagem mais fascinante do longa, o assustador Coringa. Nolan também é competente na criação de cenas plasticamente belas, como os travellings que sobrevoam as cidades e as empolgantes seqüências de ação e perseguição. Além disso, o diretor utiliza interessantes movimentos de câmera, como podemos notar durante o diálogo entre Gordon, Dent e Batman no terraço. A excelente fotografia azulada cria um ambiente frio e assustador, além de mergulhar os personagens em sombras e escuridão por diversas vezes, refletindo muito bem o sombrio universo do super-herói amargurado. Mas, apesar de cuidar muito bem de todos estes detalhes, é no desenvolvimento de personagens que Nolan demonstra toda sua competência, extraindo atuações do mais alto nível.

Apoiando-se no excelente roteiro escrito por ele próprio e seu irmão Jonathan Nolan, o diretor consegue criar personagens complexos e carregados dramaticamente, o que é sempre um prato cheio para os grandes atores. A narrativa dos irmãos Nolan tem como tema principal o lado egoísta e cruel existente dentro de cada ser humano, apontado através dos jogos propostos pelo vilão. O roteiro também aborda com competência outros temas interessantes, como a corrupção dentro das autoridades que deveriam oferecer segurança à sociedade, além de manter o espectador sempre grudado na tela devido às surpreendentes armadilhas do Coringa. Conta ainda com bons momentos de alivio cômico como a piada dos desaparecimentos do Batman, o nome alternativo que Alfred utiliza para bebidas alcoólicas e a frase do mesmo Alfred sobre o uso do Lamborghini.

Ciente de que toda a história da origem do homem-morcego foi corretamente abordada no filme anterior (Batman Begins), Nolan aproveita para focar ainda mais no desenvolvimento de seus pergonagens, o que possibilita ao elenco de primeira grandeza oferecer performances maravilhosas. Michael Caine está muito bem novamente como Alfred, firme em seus conselhos para Bruce Wayne e com seu ótimo senso de humor. A conversa entre eles sobre o ladrão de pedras preciosas revela muito sobre a personalidade caótica do grande vilão da trama. Christian Bale tem uma boa atuação como Bruce Wayne. Sua reação à insinuação de Alfred sobre seu interesse em Rachel é notável, quando ele vira o rosto e sai evitando o olhar do amigo. Seu momento mais tocante é quando chora a perda de alguém muito importante e reflete sobre o tipo de reação que causou na sociedade quando decidiu ser o Batman. Já com a máscara do homem-morcego seu desempenho é ainda melhor. Com a voz mais grave (e distorcida na pós-produção) e com muita segurança, ele consegue criar um herói ambíguo e amargurado pelas marcas do passado, dando muito peso dramático ao personagem. Morgan Freeman faz seu papel com extrema competência mais uma vez. Repare o sorriso contido de satisfação quando Wayne lhe pede para cancelar o acordo e ele responde “Você já sabia?”. Outra grande cena é quando Reese (Joshua Harto), o consultor das empresas Wayne, ameaça revelar a identidade secreta do Batman. Ele ri com muito cinismo e dá uma resposta muito inteligente ao rapaz, que demonstra através de seu rosto o arrependimento que sentiu. Ainda nas atuações, Aaron Eckhart também merece destaque como o promotor Harvey Dent. Seu arco dramático é incrível, transformando seu personagem de uma pessoa séria e comprometida com a causa para um vingador implacável e cruel que não tem mais código ético e moral após o duro golpe que sofreu. Sua transformação no vilão “Duas-Caras” é extremamente competente e tem total coerência com a narrativa, tornando o personagem mais próximo da realidade, o que o aproxima do público. Dent acaba se tornando o personagem símbolo da ideologia do vilão, que tenta provar que todos nós temos um lado mais obscuro. O momento da revelação de seu rosto é uma grande cena do filme. Interessante notar como a moeda utilizada por Dent se torna ainda mais simbólica após a tragédia que destruiu a vida do personagem, com o lado queimado passando a simbolizar a morte. Impressionante também é a comovente reação de Eckhart quando nota a moeda em seu leito.  Maggie Gyllenhall, apesar de não conseguir criar empatia com Christian Bale, consegue sucesso em sua relação com Eckhart, destacando-se na dramática cena em que aceita se casar com Dent. Gary Oldman completa o qualificado elenco de apoio oferecendo uma boa atuação, com destaque para a cena final do filme, quando demonstra sua aflição de forma muito convincente.

Entre tantas boas performances, uma chamou a atenção em particular. A histórica atuação de Heath Leadger compôs um personagem fascinante e temível. O Coringa dele é alguém sem apego a dinheiro ou regras, que tenta provar que no fundo de sua alma todo ser humano tem seu lado ruim e cruel. Sua intenção é provar que, quando colocadas em alguma situação de risco, as pessoas sempre tentarão salvar a própria pele, como fica evidente na cena dos barcos e em sua engraçada metáfora com os cães de um mafioso. Seu plano lembra por muitas vezes o de John Doe em Se7en, já que ambos não têm mais esperança no ser humano. Incrível como ele trabalhou em cada pequeno detalhe de sua atuação. Observe o tique da língua saindo da boca e os olhos nunca fixos, que demonstram a personalidade psicótica do rapaz. Repare o jeito de andar encurvado, o cabelo bagunçado, a voz anasalada, além é claro do rosto de palhaço extremamente realista, fruto do grande trabalho de maquiagem. A oscilação nada comum de seu senso de humor manifestada através das risadas estridentes e gritos que alternam repentinamente para um tom de voz baixo. Em momentos de extrema tensão ele mantém o controle dos nervos como se não tivesse nada a perder, como na cena em que, com um policial como refém, pede tranquilamente pra fazer uma ligação. Seu bom humor é irônico, e ele demonstra isso com competência, por exemplo, quando chama Rachel de gatinha e ajeita seu cabelo ou quando diz para Batman que ele escolheu as palavras incorretas. Seu momento mais genial é o diálogo com Batman dentro da sala de entrevistas da cadeia, revelando a parte cruel de seu plano e causando a ira em seu oponente (em bom momento de Bale que explode em cena). Nesta cena você pode notar todos os detalhes citados acima em Ledger, além de descobrir que na realidade o Coringa respeita o Batman e entende que eles são dependentes um do outro, pensamento este que fica evidente minutos depois, quando pede em público a morte de um determinado cidadão. Nota-se também nesta cena a excelente composição visual de Nolan, filmando no primeiro plano o comissário correndo pra abrir a porta e no segundo plano o irritado Batman indo trancá-la, ao som da risada do Coringa.

O trabalho técnico do filme também é extremamente competente. Desde a trilha sonora típica de filmes de ação, pesada e com picos de volume para criar tensão, até os espetaculares trabalhos de som e efeitos sonoros, capazes de captar cada pequeno detalhe como o som do pescoço do Coringa estalando e da capa do Batman voando. Os efeitos especiais trabalham para ajudar o filme (e não se tornam a razão de ser dele), como podemos notar nos perfeitos ferimentos no rosto do Duas-Caras e nas maravilhosas seqüências de ação.

Com um ou outro escorregão típico dos arrasta-quarteirões norte-americanos, como a cena do tribunal que faz uma piada patriota sobre armas e a eficiente contagem de votos nos barcos (engraçado como um país tão ineficiente na contagem de votos tenha uma contagem tão rápida), o filme consegue um peso dramático e um terceiro ato capaz de desnortear qualquer um. O diálogo entre Batman e Dent, logo após este último ameaçar de matar um esquizofrênico, revela muito sobre a linha de raciocínio da dupla Coringa e Batman e o que está em jogo. Dent não poderia sujar sua imagem de incorruptível perante a sociedade, ele era o herói que Gotham precisava naquele momento. E a decisão final do homem-morcego de assumir os crimes de outra pessoa e manchar de vez sua reputação naquela sociedade demonstra sua nobreza e seu comprometimento com a causa, jamais levando o crédito pra si mesmo em prol da criação de um mito que ajude na defesa contra o crime organizado. Um herói capaz de uma decisão pesada, cruel e altruísta como esta demonstra sua magnitude e grandeza. Grande também é o filme de Nolan, adulto, pesado e extremamente complexo.

Utilizando os personagens dos quadrinhos como fio condutor de uma produção ambiciosa e oferecendo uma narrativa brilhante e repleta de detalhes, Batman – O Cavaleiro das Trevas é um filme acima da média, com uma atuação antológica e outras muito competentes, que levam o espectador a um enorme cansaço emocional devido à carga psicológica envolvida na trama. Quem dera todo filme de ação tivesse como base para explosões e perseguições uma narrativa tão coesa e complexa como esta. Esta é uma franquia que tem muito ainda a oferecer. Robin, Pingüim, Charada, entre outros, são personagens que podem render outros excelentes roteiros. Espero que venham mais ótimos filmes como estas duas produções de Nolan.

Coringa

Texto publicado em 24 de Julho de 2009 por Roberto Siqueira

Anúncios

24 comentários sobre “BATMAN – O CAVALEIRO DAS TREVAS (2008)

  1. Francisco 29 abril, 2016 / 10:13 am

    Olá Roberto, antes tarde que nunca, vi o filme só agora em 2016, e fiquei fascinado demais. Pra mim The Dark Knight é o melhor filme de ação do século 21 e o melhor sôbre super-heróis de todos os tempos. Já nasceu clássico. O coringa de Ledger é na minha opinião o vilão mais perfeito que já vi, pois ele nos provoca raiva e pena ao mesmo tempo, pelo passado terrível que ele viveu. Um abraço!!

    Curtir

    • Roberto Siqueira 12 setembro, 2016 / 6:46 pm

      Obrigado pelo comentário Francisco.

      Abraço.

      Curtir

  2. Pingback: Gucci Iphone Case
  3. pozycjonowanie 11 dezembro, 2014 / 10:44 am

    Excellent beat ! I wish to apprentice at the
    same time as you amend your site, how can i subscribe for a
    blog web site? The account aided me a appropriate deal.
    I were a little bit familiar of this your broadcast offered bright
    transparent concept

    Curtir

  4. snap back 19 novembro, 2014 / 9:57 pm

    Looking for MLB baseball caps are supposed to be educated consumers.

    My other friend chimed in with agreement about her son. If you are off for a
    budget, there’s no need for you to worry as you could get these snapback
    hats in accordance to the amount of money that you
    have.

    Curtir

  5. sundaycooks.com 27 junho, 2014 / 5:10 pm

    It is a terrific and handy piece of information. I am content that you shared this helpful details here. Remember to stop us up to date like that. Thank you for sharing.

    Curtir

  6. Mateus Aquino 12 agosto, 2012 / 10:52 am

    Ok, quebrei a cara como filme, vi decentemente ,legendado, e sem preconceitos, é . vou alem do que você disse e falo que é OP

    Curtir

    • Roberto Siqueira 13 setembro, 2012 / 10:21 pm

      Que bom que gostou desta vez Mateus.
      Abraço.

      Curtir

  7. Cross98 26 fevereiro, 2012 / 5:33 pm

    Não curto muito Batman , nem essas adaptações de quadrinhos . MENOS V de vingança , aquele filme é simp´lesmente incrivel , é muito foda ele

    Curtir

    • Roberto Siqueira 29 fevereiro, 2012 / 11:27 pm

      V de Vingança é legal também, mas acho O Cavaleiro das Trevas um filme fantástico.
      Abraço.

      Curtir

    • Mateus Aquino 6 junho, 2012 / 2:27 pm

      Não concordo, eu acho um filme extremamente fraco, o que se salva é só o Coringa (e só um pouco), pode ser até mais realista, isso que é o defeito que o torna inferior ao Batman de Burton

      Curtir

    • Roberto Siqueira 7 junho, 2012 / 12:04 pm

      Extremamente fraco? Com todo respeito ao Tim Burton, mas o Batman do Nolan é muito superior.
      Abraço.

      Curtir

    • Mateus Aquino 7 junho, 2012 / 1:34 pm

      Sim, extremamente fraco, é como o Resident Evil, coloca um filme “legalzinho” com o titulo da série, nesse caso, o Batman só colocou personagens com a roupa, o que se salva é só o Coringa, a série de Burton é muito mais fiel a história original, esse tem mais é só pancadaria

      Curtir

    • Roberto Siqueira 20 junho, 2012 / 7:46 pm

      Discordo completamente. A nova roupagem que o Nolan deu ao Batman é muito melhor. Agora temos um personagem tridimensional, profundo e humano, não uma caricatura.
      Abraço.

      Curtir

  8. Cross98 23 fevereiro, 2012 / 6:54 pm

    V de Vingança , critica please?

    Curtir

    • Roberto Siqueira 23 fevereiro, 2012 / 8:34 pm

      Também divulgarei quando chegar no ano dele, já tenho o DVD na Videoteca.
      Abraço.

      Curtir

  9. Bruno Nery 5 fevereiro, 2011 / 3:15 pm

    Christofer Nolan realmente é um gênio! Onde iria se imaginar que personagens completamente caricaturado como o Coringa e Duas Caras nos HQ’s ficassem tão espetacular na Gotham City realista de Nolan?
    Muito fiél aos quadrinhos, o filme é de uma dinâmica incrível, e realmente prende totlamente a nossa atenção do começo ao filme. Sem dizer na espetacular atuação de Heath Ledger, que infelizmente pagou com a própria vida.
    Um dos melhores filmes da década passada na minha opinião.

    Curtir

    • Roberto Siqueira 7 fevereiro, 2011 / 7:15 pm

      Um grande filme, sem dúvida Bruno. Bem lembrado, o Duas Caras também ficou excelente.
      Obrigado pelo comentário.

      Curtir

  10. Rodrigues 20 janeiro, 2011 / 1:55 pm

    Ótima análise, concordo com tudo o que foi dito!!! Agora é esperar pelo terceiro filme e torcer para que Christopher Nolan mantenha o alto nível e encontre um vilão à altura do Coringa de Heath Ledger.

    Curtir

    • Roberto Siqueira 21 janeiro, 2011 / 7:55 am

      Obrigado Rodrigues, fico feliz com os elogios.
      Tenho muita confiança no trabalho do Nolan e acho que teremos outro grande filme.
      Um grande abraço e obrigado pela visita ao Cinema & Debate.

      Curtir

  11. Joao Lucas 24 dezembro, 2009 / 12:18 am

    Roberto, parabens! Otima crítica sobre o filme! muito boa mesmo!
    Concordo, Batman – O Cavaleiro das Trevas é uma filme acima da média, na minha opinião a melhor adaptação de quadrinhos já feita!
    Com um ótimo roteiro, e perfeitas atuações! Como vc disse chamou muita atenção a atução de Heath Leadger , que pra mim esteve impecavel o filme todo, e realmente mereceu o oscar!
    Estou agurdando ansiosamente a continuação que provalvelmente será produzida.
    O filme é realmente muito bom! Assim como sua crítica! Ótimo site! Parabens!

    Curtir

    • Roberto Siqueira 24 dezembro, 2009 / 1:16 pm

      Muito obrigado João Lucas! Fico extremamente feliz com seu elogio. Realmente é uma das melhores adaptações de quadrinhos já feita. E Leadger está mesmo sensacional.
      Obrigado pela visita e pelo comentário, seja bem vindo ao Cinema & Debate e volte sempre.
      Abraço.

      Curtir

Deixe uma resposta para snap back Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.