TOY STORY (1995)

(Toy Story)

 

Videoteca do Beto #137

Dirigido por John Lasseter.

Elenco: Vozes de Tom Hanks, Tim Allen, Jim Varney, Wallace Shawn, John Ratzenberger, John Morris, Erik von Detten e Don Rickles.

Roteiro: Joss Whedon, Andrew Stanton, Joel Cohen e Alec Sokolow, baseado em estória de John Lasseter, Andrew Stanton, Peter Docter e Joe Ranft.

Produção: Bonnie Arnold e Ralph Guggenheim.

[Antes de qualquer coisa, gostaria de pedir que só leia esta crítica se já tiver assistido ao filme. Para fazer uma análise mais detalhada é necessário citar cenas importantes da trama].

Responsável por revolucionar o cinema ao utilizar pela primeira vez animação feita em computador num longa-metragem, o excelente “Toy Story” marcou também o início da impecável filmografia dos estúdios Pixar, que só viriam a tropeçar artisticamente no recente “Carros 2”, após anos de sucessos de crítica e público. E o longa que iniciou esta bela história faz jus ao posto, porque além de divertir o público infantil com sua empolgante aventura, conquista também espectadores de todas as idades ao abordar temas universais e remeter à deliciosa fase da infância.

Escrito por Joss Whedon, Andrew Stanton, Joel Cohen e Alec Sokolow a partir de história criada por John Lasseter, Andrew Stanton, Peter Docter e Joe Ranft, “Toy Story” tem inicio no dia do aniversário do menino Andy (voz de John Morris), uma data que provoca verdadeiro pavor entre seus brinquedos, que temem serem substituídos por novos brinquedos e relegados ao esquecimento. Tentando manter a calma de todos, o cowboy Woody (voz de Tom Hanks) tem sua autoconfiança abalada quando Andy ganha o moderno astronauta Buzz Lightyear (voz de Tim Allen), um sério candidato a roubar dele o cobiçado posto de brinquedo favorito do garoto. Buscando evitar o esquecimento, ele traça um plano para se livrar do rival, mas acaba criando uma situação bastante complicada para ambos.

Abordando de maneira delicada o tema universal do apego aos brinquedos na infância, “Toy Story” começa a conquistar o coração da plateia logo em seus minutos iniciais, quando acompanhamos o empolgado Andy brincando com seus bonecos e imaginando uma divertida situação – algo que, certamente, a maioria das pessoas já fez um dia. Independente da idade, o espectador se identifica imediatamente com o que vê, já que as crianças, por razões óbvias, se imaginam no lugar de Andy, ao passo em que os adultos recordam com nostalgia dos tempos de infância. Afinal de contas, quem não se lembra daquele brinquedo especial, que nos acompanhou durante o mágico período da infância?

Apresentando a notável qualidade das animações feitas através de computação gráfica, que tornam ainda mais fascinantes os personagens e cenários, “Toy Story” jamais utiliza sua inovadora tecnologia como muleta, valorizando corretamente suas virtudes técnicas, mas se preocupando também com o desenvolvimento de uma boa história. Assim, a narrativa parte da curiosa premissa de nos mostrar o que fazem os brinquedos quando estão sozinhos, acertando também ao conferir humanidade aos bonecos, mostrando sentimentos tão comuns nos seres humanos como a inveja, a raiva, o medo e até mesmo o amor, representado pela delicada boneca de porcelana Beth que é apaixonada por Woody. Estes sentimentos são transmitidos através das impecáveis expressões faciais que dão vida aos personagens, como podemos notar quando Buzz questiona se Woody está gozando sua cara – num momento hilário de Tom Hanks, que demonstra no tom de voz a inveja que sente do novo companheiro. Conferindo ainda sentimentos aos brinquedos através do medo de serem esquecidos na mudança e principalmente do medo que eles sentem de serem substituídos, o roteiro de “Toy Story” aproxima os personagens do espectador com precisão, o que é vital para que este embarque de corpo e alma na aventura.

Além disso, o roteiro não desperdiça a oportunidade de explorar situações interessantes envolvendo a natureza dos brinquedos para criar gags divertidíssimas, como ao utilizar soldados de plástico numa arriscada missão ou ao brincar com as partes que se soltam do rosto do Sr. Cabeça de Batata (voz de Don Rickles), inserindo ainda diversas situações que criam obstáculos para os heróis, permitindo que o diretor John Lasseter se divirta na condução de ótimas cenas de ação. Embalando estas cenas de ação, a trilha sonora de Randy Newman injeta adrenalina na narrativa, entretanto, as sequencias musicais, tradicionais nas animações até então, surgem apenas ocasionalmente em “Toy Story”, como na bela “You’ve got a friend in me” que abre o filme e na nas canções cantadas por Woody e Buzz, que não empolgam. E como normalmente acontece nas animações, o ótimo design de som e os fabulosos efeitos sonoros destacam-se pela riqueza de detalhes, conferindo realismo em cada movimento dos brinquedos.

Conduzindo a aventura com empolgação, John Lasseter acerta na escolha de planos interessantes, como na seqüência do posto de gasolina em que nos coloca sob o ponto de vista dos brinquedos, transformando carros e caminhões em verdadeiros gigantes. Da mesma forma, ao iniciar a cena da abertura dos presentes mostrando apenas a reação dos brinquedos e a narração via transmissor, o diretor cria um interessante suspense justamente por nos colocar na mesma posição dos apavorados bonecos. Caprichando ainda no aspecto visual, como na elegante transição da noite para o dia num travelling que sai da casa de Andy e vai para a casa de Sid – que conta também com o trabalho dos montadores Robert Gordon e Lee Unkrich -, o diretor consegue até mesmo criar momentos de tensão, como no plano em que Buzz está escondido atrás da porta enquanto o cão bravo de Sid ameaça entrar no quarto. Ainda seguindo esta estratégia de colocar o espectador no lugar dos heróis, Lasseter utiliza a câmera subjetiva para mostrar a janela ficando distante na frustrada tentativa de voar de Buzz e, no plano seguinte, emprega o contra-plongèe para diminuir o personagem no chão e ilustrar sua tristeza, confirmando seu domínio da linguagem cinematográfica.

Acertando também ao balancear de maneira orgânica as sequencias de ação, de suspense e de humor, como quando Woody pede uma mãozinha para Buzz e recebe seu braço quebrado ou quando o astronauta afirma que “não acredita que Sid tenha estudado medicina”, Lasseter e seus montadores imprimem um ritmo delicioso à narrativa, que ganha ainda mais vida graças ao visual colorido das sequencias diurnas, que, por sua vez, criam um forte contraste com a sombria sequencia que se passa dentro da casa de Sid – repare, por exemplo, como a chuva acentua a tensão quando Buzz é amarrado num foguete sob o olhar atento de Woody.

Dando vida ao antigo brinquedo preferido de Andy, a voz do carismático Tom Hanks colabora para que o medroso Woody crie empatia com a plateia, apesar de suas atitudes pouco nobres que tentam forçar sua permanência como brinquedo favorito do garoto. Seus esforços, no entanto, são em vão, pois a chegada de Buzz tira este posto de Woody, algo evidenciado quando Andy joga o cowboy pra longe da cama. Apresentado de baixo pra cima para demonstrar sua imponência, Buzz representa mais do que um simples candidato ao cobiçado posto, trazendo à tona um verdadeiro confronto de gerações entre o velho e o novo, o antigo e o moderno, simbolizado perfeitamente nas figuras do cowboy, o herói máximo do passado, e o astronauta, o herói moderno no imaginário das crianças.

Regido por um curioso código de ética – que ele quebra para poder acertar as contas com Woody sob a alegação de que estava fora de seu planeta -, Buzz não acredita que é um brinquedo, agindo sempre com seriedade absoluta enquanto tenta cumprir sua missão – o que garante momentos hilários, diga-se de passagem. Imprimindo um tom de voz solene e lançando o bordão “Ao infinito e além!”, Tim Allen ilustra bem este lado da personalidade do astronauta e ainda transmite sua tristeza quando, num momento comovente, ele descobre que é apenas um brinquedo dentro da casa de Sid. Apresentado através da janela do quarto de Andy enquanto explode um brinquedo apenas por diversão ao lado de seu cão raivoso, Sid rapidamente se estabelece como o vilão da trama, o que é essencial para que o espectador tema pelo destino de Woody e Buzz quando eles são pegos pelo malvado garoto. Quando isto acontece, a fotografia passa a priorizar cenas noturnas e cores escuras, refletindo a angústia dos protagonistas diante daquela verdadeira casa dos horrores, repleta de brinquedos “mutantes”, alterados na “sala de cirurgia” do rapaz – e até mesmo a decoração do quarto auxilia na criação desta atmosfera assustadora.

Só que, numa excelente subversão de expectativa, os horripilantes brinquedos de Sid se revelam amigáveis e até mesmo ajudam a consertar o braço de Buzz. Diante de novos amigos, Woody pode então planejar e executar sua divertida fuga da casa, que resulta na ótima cena em que os brinquedos se rebelam contra o perverso garoto e salvam Buzz, deixando uma clara mensagem para as crianças: cuidem bem dos seus brinquedos. Em seguida, a excelente perseguição ao caminhão de mudança, também muito bem conduzida por Lasseter, traz o tão desejado vôo do astronauta (“Isto não é voar, é cair com estilo”) e garante a diversão da garotada. Pra finalizar, a cena final que traz o agora preocupado Buzz fingindo não se importar com o que ouve no transmissor enquanto os soldados narram os presentes recebidos por Andy no natal é hilária e fecha com perfeição à narrativa.

Aventura deliciosa e com uma bela mensagem, “Toy Story” é um marco do cinema, não apenas por utilizar a computação gráfica na criação de seu refinado visual, mas também por inaugurar a “era Pixar”, que presenteou os cinéfilos ao longo dos anos com muitos filmes inesquecíveis. De quebra, fez tudo isto através de uma história interessante, apresentando personagens cativantes que ainda nos acompanhariam por muitos anos nesta deliciosa trilogia.

Texto publicado em 04 de Agosto de 2012 por Roberto Siqueira

Anúncios

Tags: , , , , , , , ,

5 Respostas to “TOY STORY (1995)”

  1. A FUGA DAS GALINHAS (2000) | Cinema & Debate Says:

    […] por produções inspiradas na revolução provocada por “O Rei Leão” e, principalmente, “Toy Story”, apostar numa técnica antiga, trabalhosa e que parecia fadada a extinção como o stop motion […]

  2. TOY STORY 2 (1999) | Cinema & Debate Says:

    […] quase impecável filmografia da Pixar, era inevitável que o mega sucesso de público e crítica “Toy Story” ganhasse uma continuação. O grande temor, no entanto, era que esta continuação fosse […]

  3. Balanço de 2013 | Cinema & Debate Says:

    […] Considerando mais uma vez que tento me equilibrar entre a família, amigos, trabalho, lazer e o blog, acho que meu desempenho este ano foi interessante, chegando aos 163 filmes assistidos. É importante citar também que eu consegui assistir muitos lançamentos no cinema, algo que se tornara mais difícil nos últimos tempos por diversas razões, o que me deixou muito feliz. Pude acompanhar, por exemplo, quase todos os concorrentes ao Oscar do ano passado, o que me permitiu comentar a cerimônia e fazer minhas previsões com mais propriedade – e que já temo não conseguir repetir agora em 2014. Como sempre, lembro que só conto cada filme uma vez, mesmo que eu tenha assistido alguns por duas ou mais vezes durante o ano, como acontece normalmente com as animações (neste ano, o Arthur se encantou com “Monstros S.A.” e manteve sua paixão pela trilogia “Toy Story”). […]

  4. Mateus Aquino Says:

    Ele não é o 1° filme a utilizar animação computadorizada, é um filme nacional, que esqueci o nome, mas não tira o mérito do filme, que é muito bom

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: