OSCAR 1999: SHAKESPEARE APAIXONADO X ALÉM DA LINHA VERMELHA

Seguindo minha comparação entre o vencedor do Oscar de Melhor Filme e aquele que eu considerei como a melhor produção do ano, chega à vez do ano de 1998 (Premiação em 1999).

Um efeito curioso que acontece com muitos filmes que vencem o OSCAR de Melhor Filme é que, com o passar dos anos, eles passam a serem vistos de outra maneira (normalmente com desprezo) em virtude dos filmes que derrotaram na premiação. O fato é que o inteligente e criativo “Shakespeare Apaixonado” não é tão fenomenal quanto a Academia pensou que era na época em que venceu 7 prêmios, mas também não é tão desprezível quanto a maioria da crítica (e muitos cinéfilos) o consideram hoje. Merecia o prêmio de Melhor Filme? Não. Mas nem por isso merece ser considerado um filme fraco, já que tem inúmeras qualidades, a começar pelo criativo roteiro, além da excelente direção de arte e dos belos figurinos, sem falar nas boas atuações de praticamente todo o elenco.

O problema é que o longa dirigido por John Madden venceu não um, mas três longas claramente superiores. São eles: “O Resgate do Soldado Ryan”, “O Show de Truman” (que sequer foi indicado à Melhor Filme) e o meu favorito “Além da Linha Vermelha”. Pra piorar as coisas, Gwyneth Paltrow venceu Fernanda Montenegro (injustamente) no prêmio de Melhor Atriz e a antipatia em terra Brasilis se tornou inevitável. Em todo caso, reafirmo que gosto do longa e até daria o prêmio de Melhor Roteiro Original (que ele venceu), mas não daria o prêmio de Melhor Filme.

Porque “Além da Linha Vermelha” é melhor?

E então chegamos ao longa dirigido por  Terrence Malick. Longo, em ritmo lento e repleto de reflexões, “Além da Linha Vermelha” não é um filme fácil. E nem era pra ser. O que vemos ali não é um simples filme de guerra, mas sim um filme “sobre a guerra”, ou seja, sobre os efeitos dela no ser humano. Os questionamentos, reflexões e medos dos soldados são palpáveis ao espectador, que ao término das quase três horas de filme, sai com a mente fervilhando em pensamentos sobre a insanidade dos conflitos bélicos. São muitos os momentos sublimes que fazem deste o grande filme de 1998. Os grandes atores sabiam da qualidade do trabalho de Malick e, por isso, aceitaram até mesmo pequenas participações no longa (como fizeram George Clooney e John Travolta). Apesar da excepcional qualidade de “O Resgate do Soldado Ryan” e do genial “O Show de Truman”, meu coração se rende ao brilhantismo de “Além da Linha Vermelha”, que mereceria meu voto para Melhor Filme.

E pra você, qual o melhor filme de 1998 e por quê?

Um abraço e bom debate.

Shakespeare ApaixonadoAlém da Linha VermelhaTexto publicado em 29 de Abril de 2014 por Roberto Siqueira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: