Cinema & Debate agora também no YouTube

Queridos leitores,

Chegou a hora de finalmente darmos passos maiores. Estreia hoje nosso canal no YouTube e logo no vídeo inicial anunciamos outra novidade.

Assistam, comentem e inscrevam-se no canal!

Um grande abraço a todos.

 Texto publicado em 31 de Março de 2019 por Roberto Siqueira

Anúncios

Nova cara

Queridos leitores,

O Cinema & Debate está de cara nova e gostaria de saber se vocês aprovaram a novidade.

Em breve teremos mais novidades.

Grande abraço.

Texto publicado em 27 de Março de 2019 por Roberto Siqueira

Balanço de 2018

Como expliquei em detalhes no texto anterior, o ano passado marcou uma mudança radical em minha vida, que afetou diretamente a rotina do blog, já desgastada nos últimos anos. Para ser mais direto: o Cinema & Debate flertou com o fim em 2018. Não que eu tenha de fato considerado a hipótese de encerrar este espaço que tanto amo, mas a falta de tempo para mantê-lo, aliada aos enormes desafios da minha vida profissional, ao planejamento e execução da mudança de país e as responsabilidades familiares resultantes desta mudança fizeram com que o tempo para assistir filmes e escrever fosse mais escasso do que nunca. Minha esposa dirá que eu também ocupei muito tempo em discussões políticas – o que é verdade, afinal era um ano eleitoral. O fato é que o ano foi turbulento sob diversos aspectos, ainda que no final tenha marcado a realização de um sonho de longa data para toda nossa família.

Se no “Balanço de 2017” eu sonhava com um ano melhor não apenas para o blog, como também para o nosso país, o resultado não poderia ter sido pior para ambos. Abraçamos a onda conservadora falso-moralista e mergulhamos fundo no retrocesso como sociedade. Ao mesmo tempo, o Cinema & Debate sobreviveu dos cliques e comentários de leitores fieis, já que foram raros os textos que consegui produzir por aqui. Felizmente, a turbulência parece ter passado – ao menos para o blog.

Ainda estamos no processo de adaptação, passei um mês estudando alemão intensivo e continuo focado na evolução do idioma, mas aos poucos vou encontrando espaço para reestruturar o blog e novas ideias vão surgindo. Independente do que minha vida profissional me reserve, quero aproveitar os momentos vagos para devolver a força que o C&D já teve, com textos mais frequentes e até mesmo novas abordagens que estou estudando.

Que 2019 marque de fato o recomeço sonhado para o C&D e que eu consiga oferecer o que vocês leitores merecem. Agradeço o carinho de todos que seguem buscando textos e comentando neste espaço e espero que gostem do que está por vir. E que o blog viva dias felizes como eu e minha família estamos vivendo nesta nova caminhada.

Vamos então aos números oficiais do Cinema & Debate em 2018:

– 2 críticas divulgadas na Videoteca do Beto (espero nunca mais ter que divulgar um resultado desastroso assim).

Segundo dados do WordPress, os 5 textos mais acessados em 2018 foram:

5° lugar = “Perfume de Mulher

4° lugar = “2001 – Uma Odisséia no Espaço

3° lugar = “Um Dia de Fúria

2° lugar = “Um Sonho de Liberdade

1° lugar = “A Missão

Temos duas novidades no ranking, “Perfume de Mulher” e “Um Dia de Fúria” – curiosamente, dois filmes do início dos anos 90.

E agora, a lista dos 106 filmes assistidos em 2018 com a cotação no tradicional formado das estrelinhas.

Um grande abraço, obrigado e que 2019 seja um ano cinematográfico para todos nós!

Texto publicado em 10 de Março de 2019 por Roberto Siqueira

Videoteca do Beto: novas aquisições

Olá pessoal,

Abaixo as últimas novidades em DVD:

O Máskara (1994)

Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) (2014)

Creed: Nascido para Lutar (2015)

Hotel Transilvânia 2 (2015)

Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (2015)

 

E em Blu-ray:

Boyhood: Da Infância à Juventude (2014)

Mad Max: Estrada da Fúria (2015)

 

Um abraço.

Texto publicado em 19 de Maio de 2018 por Roberto Siqueira

Ausência e retorno

Olá pessoal,

Como todos devem ter notado, estou ausente do blog desde Janeiro, mas ao contrário de outros momentos em que não consegui encontrar tempo para escrever, desta vez a razão foi uma grave lesão que sofri e que me afastou de diversas atividades por um longo período.

Voltei a assistir filmes para escrever no último domingo e espero conseguir divulgar a próxima crítica em breve.

Agradeço a compreensão.

Um abraço.

Texto publicado em 14 de Maio de 2018 por Roberto Siqueira

Balanço de 2017

Em termos de cinema, o ano de 2017 praticamente inexistiu até meados de Agosto para mim. Não apenas praticamente não divulguei críticas, como também assisti bem poucos filmes. Os motivos são diversos. Muitas viagens a trabalho, diversas preocupações que me tiraram o foco no cinema e a falta de motivação que me assombrou por boa parte do ano para escrever por aqui.

No entanto, logo após a maravilhosa viagem que fiz com a família e amigos nas férias, recarreguei as baterias e voltei motivado a retomar minha paixão pela sétima arte. Consegui assistir mais filmes, especialmente nos finais de semana, e voltei a frequentar o cinema. Aliás, 2017 marcou a realização de um sonho, graças aos clássicos Cinemark.

Em 31 de Outubro, tive o imenso prazer de assistir pela primeira vez na telona ao filme mais importante da minha vida, ao lado da minha amada esposa. E que experiência inesquecível foi assistir “Coração Valente”, com qualidade de som e imagem impecáveis e toda a imersão que somente o escuro do cinema é capaz de proporcionar. Pude uma vez mais me envolver, emocionar e viver junto com William Wallace cada etapa de sua épica trajetória. Confesso que não pude conter as lágrimas em diversos instantes, não mais pelo impacto dramático, já que assisti ao longa inúmeras vezes na vida, mas justamente por poder assistir tudo aquilo onde sempre sonhei e pelas lembranças que em muitos momentos vinham em minha memória. A fase difícil da vida que superei graças aquela emocionante narrativa, tudo de bom que vivi desde então, a família que construí após vencer a depressão, etc. Em resumo, um dia mágico que jamais esquecerei.

O ano ainda reservou momentos marcantes como a primeira vez que meus filhos assistiram clássicos como “King Kong” e o divertido “O Máskara”, além de marcar a volta de um hábito que adoro, que é assistir séries com minha esposa.

Novamente, anseio por um ano melhor não apenas no C&D, mas principalmente no Brasil e no mundo, onde a onda de retrocesso parece não ter fim. Ao menos, aparentemente o velho continente segue sendo o foco de resistência ao avanço de conservadores extremistas, como atestaram eleições na França e na Holanda, o que é um bom sinal. Tomara que o Brasil também volte a trilhar o caminho da evolução e deixe de lado o falso moralismo e o extremismo que vêm ganhando força por aqui – e este ano será crucial neste processo.

Se 2017 foi desastroso para o Cinema & Debate, só me resta torcer que mais uma vez o amor da minha família, o apoio dos amigos e o carinho de vocês leitores me motivem a retomar o ritmo que este blog que tanto amo merece. Aliás, continuo surpreso com o bom número de acessos e comentários mesmo com minha ausência. Espero poder voltar a escrever com frequência e justificar o carinho dos leitores.

Vamos então aos números oficiais do Cinema & Debate em 2017:

– 5 críticas divulgadas na Videoteca do Beto (pffff).

Segundo dados do WordPress, os 5 textos mais acessados em 2017 foram:

            5° lugar = “As duas faces de um crime

            4° lugar = “2001 – Uma Odisséia no Espaço

            3° lugar = “Um Estranho no Ninho

            2° lugar = “Um Sonho de Liberdade

            1° lugar = “A Missão

Ou seja, nenhuma novidade no ranking – e nem deveria esperar outra coisa dada a inatividade do blog.

E agora, a lista dos 104 filmes assistidos em 2017 com a cotação no tradicional formado das estrelinhas.

Um grande abraço, obrigado e que 2018 seja um ano cinematográfico para todos nós!

Texto publicado em 03 de Janeiro de 2018 por Roberto Siqueira

OSCAR 2000: BELEZA AMERICANA X MAGNÓLIA

Seguindo minha comparação entre o vencedor do Oscar de Melhor filme e aquele que eu considerei como a melhor produção do ano, chega à vez do ano de 1999 (Premiação em 2000), certamente uma das safras mais interessantes e de alto nível das últimas décadas.

Inquestionavelmente, “Beleza Americana” é um filme acima da média. Além de muito bem dirigido por Sam Mendes, o longa conta ainda com a excepcional atuação do talentoso Kevin Spacey e merece, sem dúvida nenhuma, todo o reconhecimento deste mundo. É também um filme com o qual me identifico bastante, pois assim como Lester Burnham, também não suporto a vida de aparências do mundo moderno. Mas existe um problema na vida de “Beleza Americana” quando falamos de prêmios – no caso, o OSCAR. O ano de 1999 presenteou os cinéfilos não apenas com uma, mas com várias obras destas que ficam marcadas e serão lembradas eternamente, como “Matrix”, “O Sexto Sentido” ou “De olhos bem fechados”, o último trabalho do gênio Kubrick.

Dentre elas, temos ainda duas obras-primas que marcaram uma geração: “Clube da Luta”, de David Fincher, e especialmente “Magnólia”, de Paul Thomas Anderson, dois longas melhores que o longa estrelado por Spacey e com os quais também tenho grande identificação com o tema central, respectivamente, o desapego material e o acaso como agente do nosso destino. Qualquer um deles mereceria meu voto naquele ano, mas infelizmente não posso votar nos dois filmes e, como tenho que fazer uma opção, fico com o filme de Paul Thomas Anderson.

Porque “Magnólia” é melhor?

Apesar da qualidade inegável de “Beleza Americana” (e de outros filmes do ano) e da minha empatia com o tema abordado, não posso deixar de reconhecer e admirar o trabalho perfeito realizado em “Magnólia”, desde a competente direção, passando por toda a parte técnica e pelo talentoso e inspirado elenco. Além disso, “Magnólia” ainda é destes filmes polêmicos, que levantam múltiplas interpretações e abrem margem para discussões, o que particularmente é algo que adoro. Por tudo isso, apesar de reconhecer a excelente safra de 1999, que além dos filmes citados, contava ainda com obras como “O Informante”, “À Espera de um Milagre” e “Toy Story 2”, o meu filme favorito do ano é mesmo “Magnólia”.

E pra você, qual o melhor filme de 1999 e por quê?

Um abraço e bom debate.

beleza-americanamagnoliaTexto publicado em 24 de Fevereiro de 2017 por Roberto Siqueira

Balanço de 2016

Se 2015 foi até agora o pior ano da história do blog em termos de produção, 2016 marcou o início da recuperação. Em termos de críticas divulgadas, a recuperação foi bem lenta, especialmente por que tive pouco tempo para a escrita, até por que viajei demais, tanto a trabalho quanto a lazer (o que é muito bom). Além disso, o ano marcou minha consolidação em meu novo desafio profissional e minha reaproximação de amigos e familiares que andava tendo pouco contato, além da ressurreição definitiva do meu time de coração que “roubou” tempo nas quartas e domingos da caminhada para o eneacampeonato nacional. O blog pagou o preço, infelizmente, e de cara a missão de 2017 é equilibrar melhor tudo isso.

Por outro lado, consegui reduzir consideravelmente os inúteis debates via redes sociais sobre aspectos políticos e sociais e passei a focar este tipo de discussão mais entre pessoas próximas, o que é bem mais interessante e produtivo. Estas mudanças (e a santa Netflix!) me permitiram aumentar consideravelmente o número de filmes assistidos durante o ano, estabelecendo meu novo recorde pessoal e quebrando uma marca que já durava 5 anos, o que é motivo de grande satisfação e orgulho diante de tantos desafios.

Assim como em quase todos os anos, os números do site não espelham a minha ausência, mantendo um bom ritmo de crescimento no número de acessos e comentários e trazendo novos e queridos leitores a todo instante. Aparentemente, o Cinema & Debate está cada vez mais consolidado, dependendo apenas de mim mesmo para decolar.

Agora registrando meu novo recorde, 2016 me permitiu assistir 169 filmes (contra 167 em 2011), alguns no cinema e muitos graças a citada Netflix. Como de costume, conto cada filme uma vez só, mesmo que tenha repetido alguns deles durante o ano. Desta vez, tive a felicidade de apresentar clássicos para o Arthur e também para o Raul, com destaque para a trilogia “De Volta para o Futuro”, que obviamente encantou ambos por razões diferentes, além de “Fantasia”, “Fantasia 2000” e dos divertidos “Jumanji”, “O Grinch” e “Labirinto – A magia do tempo” (com o eterno David Bowie, que infelizmente nos deixou). No cinema não tivemos tanta sorte como em 2015, assistindo filmes como “O Bom Dinossauro” e “Pets – A vida secreta dos bichos” (não conseguimos assistir “Rogue One”). Entre os bons filmes que assisti na Netflix, destaco “7 años”, “Amanda Knox”, “A ponta de um crime”, “ARQ”, “Hardcore: Missão extrema”, “Blue Jay”, “Ilegal” e “Cartel Land” (e já deixo uma dica que assisti em 2017, “O invasor americano”).

Em termos de críticas meu desempenho evoluiu bem pouco, mas ao menos consegui divulgar 17 críticas e praticamente concluir os filmes do ano de 1999 da Videoteca, faltando apenas uma crítica que escrevi e não divulguei por conta de uma fratura na mão que me impediu de captar as imagens como gostaria (na realidade fraturei 4 ossos da mão direita e sigo em recuperação).

Mais uma vez, espero que o novo ano seja melhor para o Cinema & Debate e principalmente para o mundo, tendo em vista que 2016 marcou um retrocesso poucas vezes visto em tempos recentes até mesmo no continente que é referência para mim em termos de sociedade e qualidade de vida (claro que me refiro a Europa social democrática). Para continuar a retomada do Cinema & Debate, a compreensão e o amor da minha família, o apoio dos amigos e o carinho de vocês leitores continuarão sendo meus pilares.

Vamos então aos números oficiais do Cinema & Debate em 2016:

– 17 críticas divulgadas na Videoteca do Beto.

– 1 Filme Comentado transformado em crítica (“Rocky Balboa”).

– Uma Semana Especial (“Especial Rocky Balboa”).

Segundo dados do WordPress, os 5 textos mais acessados em 2016 foram:

5° lugar = “Um Estranho no Ninho

4° lugar = “2001 – Uma Odisséia no Espaço

3° lugar = “As duas faces de um crime

2° lugar = “A Missão

1° lugar = “Um Sonho de Liberdade

Desta vez temos apenas uma novidade no ranking e já em terceiro lugar. Os dois primeiros se mantém.

E agora, a lista dos 169 filmes assistidos em 2016 com a cotação no tradicional formado das estrelinhas.

Um grande abraço, obrigado e que 2017 seja um ano cinematográfico para todos nós!

 

balanco-de-2016

Texto publicado em 09 de Janeiro de 2017 por Roberto Siqueira

Crônicas do Meu Silêncio (2015)

Vídeo publicado em 06 de Junho de 2016 por Roberto Siqueira

Feliz dia das mães!

Vídeo publicado em 08 de Maio de 2016 por Roberto Siqueira