COP LAND (1997)

(Cop Land)

4 Estrelas 

Videoteca do Beto #172

Dirigido por James Mangold.

Elenco: Sylvester Stallone, Harvey Keitel, Ray Liotta, Robert De Niro, Peter Berg, Janeane Garofalo, Robert Patrick, Michael Rapaport, Annabella Sciorra, Noah Emmerich, Cathy Moriarty, John Spencer, Frank Vincent, Malik Yoba e Arthur J. Nascarella.

Roteiro: James Mangold.

Produção: Cathy Konrad, Ezra Swerdlow e Cary Woods.

Cop Land[Antes de qualquer coisa, gostaria de pedir que só leia esta crítica se já tiver assistido ao filme. Para fazer uma análise mais detalhada é necessário citar cenas importantes da trama].

Durante mais de uma década, Sylvester Stallone tornou-se mundialmente famoso por seus papéis em filmes de ação que exalavam testosterona e nos quais os personagens só conheciam um meio de resolver seus problemas. Assim, quando o astro aceitou participar deste ótimo “Cop Land”, pela primeira vez em muitos anos seus fãs tiveram a oportunidade de vê-lo num papel diferente do usual, num desafio interessante que se tornaria ainda mais complexo graças aos excepcionais atores que contracenariam com ele. O curioso é que o responsável pelo roteiro que cativou atores do calibre de Stallone, De Niro e Keitel foi o estreante James Mangold, responsável também pela direção deste eficiente thriller policial, injustamente ignorado pela crítica em seu lançamento.

A narrativa se passa na pequena cidade de Garrison, habitada majoritariamente por policiais que trabalham na vizinha Nova York durante o dia e voltam para suas famílias à noite. Tudo corre aparentemente bem até que o jovem Superboy (Michael Rapaport) se envolve num tiroteio e acaba assassinando dois criminosos, colocando em xeque a reputação da família, encabeçada por seu tio Ray (Harvey Keitel). Uma discussão entre policiais e paramédicos quanto às provas do crime leva o Tenente Moe Tilden (Robert De Niro) a investigar o local, até então administrado pelo pacato xerife Freddy (Sylvester Stallone).

Sob a aparente tranquilidade que paira na pequena Garrison, existe uma complexa rede de intrigas e corrupção que lentamente é revelada pelo bom roteiro de Mangold, repleto de personagens ambíguos que se tornam ainda mais interessantes graças ao bom desempenho do elenco em geral. Esta aura de mistério é reforçada já nos segundos iniciais de “Cop Land”, quando a câmera do diretor passeia pela cidade enquanto a narração sombria de Robert De Niro nos apresenta ao local e aos personagens. Conduzindo com paciência a narrativa, Mangold explora o potencial de seu elenco com inteligência, aplicando zooms que nos aproximam lentamente dos personagens e closes que buscam realçar suas expressões e reações nas calorosas discussões que permeiam a narrativa. Além disso, o diretor mostra talento na composição visual de algumas cenas, como no lindo plano em que Freddy contempla a bela ponte que liga Garrison à Nova York na noite do suposto suicídio de Superboy e na espetacular sequência do tiroteio final.

Passeia pela cidadeCalorosas discussõesEspetacular sequência do tiroteioÉ evidente que o ótimo trabalho do diretor de fotografia Eric Edwards é essencial neste aspecto, abusando de cores frias como o azul e explorando muito bem o visual predominantemente noturno de “Cop Land”, mergulhando os personagens nas sombras em diversos momentos para ilustrar o caráter nebuloso daquele grupo de pessoas misteriosas. Quem também tenta colaborar na criação desta atmosfera é Howard Shore, mas sua trilha sonora acaba exagerando no tom em alguns momentos, como na cena em que policiais discutem com paramédicos na ponte após o sumiço de Superboy, mas por outro lado Shore acerta em cheio na escolha das músicas que tocam no velho toca-discos de Freddy, refletindo muito bem seu estado de espírito melancólico em cenas belíssimas como aquela em que Liz (Annabella Sciorra) vai até sua casa para conversar com ele.

Cores frias como o azulPersonagens nas sombrasLiz vai até sua casaSurgindo barrigudo e movimentando-se lentamente, Stallone compõe um personagem muito interessante e bem distante dos vigorosos personagens de seus filmes de ação, numa atuação contida que confirma seu talento já demonstrado em “Rocky, um Lutador”. Observe como o ator fala sempre num tom de voz baixo, evita olhar diretamente para as pessoas e sempre parece acuado diante da presença marcante dos outros policiais, numa postura claramente defensiva e totalmente coerente com o personagem. Discreto como seu uniforme (figurinos de Ellen Lutter), Freddy parece perambular pela cidade, fechando os olhos para possíveis conflitos e evitando chamar a atenção; e até mesmo seu escritório bagunçado (design de produção de Lester Cohen) evidencia o quanto a frustração por não conseguir ser policial em Nova York afetou sua vida. Ele pouco se importa com o que acontece ao seu redor.

Barrigudo e movimentando-se lentamenteSempre parece acuadoDiscreto como seu uniformePor tudo isso, Freddy configura-se o xerife ideal para que Ray continue comandando a cidade e, com suas expressões marcantes, Keitel compõe um antagonista assustador, que parece capaz de fazer qualquer coisa para manter o controle do local idealizado e fundado por ele, criando um personagem corrupto e detestável, é verdade, mas que jamais soa caricato ou unidimensional graças ao desempenho do ator. Assim, por mais que aos nossos olhos suas atitudes soem absurdas, Ray acredita que está agindo corretamente – e, o que é mais importante, nós acreditamos nele, ainda que não concordemos com suas ações.

Antagonista assustadorCorrupto e detestávelAcredita que está agindo corretamenteQuem também merece destaque é Ray Liotta na pele de Figgsy, um dos poucos policiais em quem Freddy consegue confiar e que surge sempre agitado, num indício claro do quanto seu envolvimento naquele ambiente hostil o incomoda. Servindo como apoio para o xerife, Liotta destaca-se em dois momentos especiais. O primeiro no diálogo expositivo no bar que explica a origem da surdez de Freddy, a razão de seus traumas e sua ligação com a bela Liz, e o segundo após a morte de Mônica (Mel Gorham), quando surge devastado ao constatar que sua amada estava morta – e saberíamos depois que sua dor intensa tinha mais motivos do que poderíamos imaginar naquele instante. Finalmente, Robert De Niro impõe respeito logo em sua primeira participação (fisicamente falando, já que é dele o prólogo), com seu tom de voz firme e expressões marcantes dominando completamente uma discussão, tornando todos os outros frequentadores da sala em meros coadjuvantes. A escolha de De Niro é acertada, pois somente um ator com sua capacidade poderia tornar a importância do Tenente Moe na narrativa em algo crível com tão pouco tempo na tela, já que ele é vital na mudança de comportamento de Freddy que culminará na resolução da narrativa.

Origem da surdez de FreddySurge devastadoImportância do Tenente MoeAos poucos, vai tornando-se óbvio que Superboy não morreu naquela noite e, de maneira inteligente, o roteiro jamais tenta criar um desnecessário mistério envolvendo seu desaparecimento. Assim, o foco da narrativa vai mesmo para a mudança de Freddy, que lentamente desperta de seu sono profundo e passa a enxergar tudo que ocorre ao seu redor (ou a se importar com ele), nos levando ao sensacional acerto de contas que Mangold conduz em câmera lenta, nos permitindo acompanhar cada detalhe do feroz tiroteio como se estivéssemos ali, ao lado de Freddy – e o ótimo design de som também é muito importante neste momento, distorcendo nossa percepção sonora do ambiente e nos forçando a compartilhar o que o personagem, agora ferido na outra orelha, provavelmente ouve. Após a solução do caso, Freddy surge novamente na margem do rio diante da bela ponte, mas agora numa cena diurna, bem iluminada e que ilustra a limpeza promovida por ele no local.

Acerto de contasFeroz tiroteioFerido na outra orelhaRecheado com boas atuações e apostando numa trama envolvente, “Cop Land” é um thriller interessante, surpreendentemente conduzido por um diretor estreante, mas que já demonstrava talento desde seu trabalho inicial. E se já estávamos acostumados a ver De Niro e Keitel oferecendo atuações dramáticas de impacto, Stallone só comprovou o quanto sua carreira poderia ter sido ainda mais marcante caso suas escolhas fossem um pouco mais ousadas.

Cop Land foto 2Texto publicado em 20 de Agosto de 2013 por Roberto Siqueira

Anúncios

O EXTERMINADOR DO FUTURO 2: O JULGAMENTO FINAL (1991)

(Terminator 2: Judgement Day)

 

Videoteca do Beto #78

Dirigido por James Cameron.

Elenco: Arnold Schwarzenegger, Linda Hamilton, Edward Furlong, Robert Patrick, Earl Boen, Joe Morton, S. Epatha Merkeson, Castulo Guerra, Danny Cooksey, Jenette Goldstein, Xander Berkeley, Ken Gibbel e Leslie Hamilton Gearren.

Roteiro: James Cameron e William Wisher Jr.

Produção: James Cameron.

[Antes de qualquer coisa, gostaria de pedir que só leia esta crítica se já tiver assistido ao filme. Para fazer uma análise mais detalhada é necessário citar cenas importantes da trama].

Normalmente, seqüências de filmes de sucesso apresentam narrativas inferiores aos antecessores, dando a sensação de que foram feitas somente para lucrar nas bilheterias, aproveitando o embalo do sucesso anterior. Obviamente, existem exceções, como “De Volta para o Futuro 2” ou “O Poderoso Chefão – Parte II”, considerados filmes superiores aos antecessores por muita gente – o que eu não concordo. Para mim, é justamente na franquia “O Exterminador do Futuro” que esta situação acontece. Revertendo nossas expectativas iniciais e apresentando cenas ainda mais empolgantes de ação, baseadas num roteiro inteligente e bastante criativo, “O Exterminador do Futuro 2” se estabelece como o melhor filme da série, um verdadeiro marco do cinema de ação dos anos 90.

Sarah Connor (Linda Hamilton) está internada num hospital psiquiátrico após ser considerada louca por falar da vinda de um exterminador do futuro. Seu filho, John Connor (Edward Furlong), é criado por pais adotivos e, segundo ela, será o responsável pela salvação da humanidade num futuro dominado pelas máquinas. Para a surpresa de todos, as palavras de Sarah se mostram verdadeiras quando os andróides T-800 (Arnold Schwarzenegger) e T-1000 (Robert Patrick) chegam do futuro e partem em busca do jovem John com intenções distintas.

Escrito por James Cameron e William Wisher Jr., “O Exterminador do Futuro 2” suga o espectador pra dentro da narrativa logo em sua introdução, relembrando fatos acontecidos no passado e nos situando na história. Repleto de frases interessantes, como quando T-800 vê duas crianças brincando de trocar tiros e diz que “É da natureza de vocês se destruírem” ou quando Sarah diz para Miles (Joe Morton) que “homens como você fizeram a bomba de hidrogênio”, a principal qualidade do roteiro reside em inverter completamente nossas expectativas ao apresentar o vilão do filme anterior como herói neste segundo filme, algo, aliás, trabalhado cuidadosamente por Cameron para provocar surpresa no espectador. O roteiro ainda desenvolve muito bem os complexos personagens, conseguindo criar uma relação crível entre o andróide e o garoto, além de evidenciar o peso que Sarah carrega por saber da importância que ela e o filho têm na tentativa de evitar um futuro sombrio, dominado pelas máquinas. A frieza daquele mundo visto no primeiro filme, aliás, é mantida pela fotografia azulada de Adam Greenberg nesta seqüência. Por outro lado, Greenberg utiliza cores mais quentes no presente e até mesmo um visual árido no deserto mexicano, que ilustra um futuro tão incerto quanto o daquelas pessoas perdidas em vastos terrenos sem vida. O futuro incerto, aliás, é o tema da franquia, que garante (pelo menos até este segundo filme) que nós escrevemos o próprio destino. A fotografia azulada volta no terceiro ato, reforçando o embate entre os frios exterminadores, mas dá lugar a um visual mais infernal no desfecho da luta entre ambos, que confere ares apocalípticos ao confronto.

Destaca-se ainda o excepcional trabalho de som e efeitos sonoros, perceptível nas diversas e sensacionais cenas de ação, além dos inovadores efeitos visuais do longa, desenvolvidos por diversos estúdios diferentes (Industrial Light & Magic, Pacific Data Images, Fantasy II Film Effects, 4-Ward Productions e Stan Winston Studio) e que garantem um realismo ímpar para a época. Novamente, Cameron soube utilizar a tecnologia a favor da narrativa, evitando cair na armadilha de tornar-se refém dos efeitos visuais, algo tão comum atualmente. Pra completar o excelente trabalho técnico, a trilha sonora de Brad Fiedel é ótima, intensa e com variações bastante sombrias. Vale notar ainda como a energia da música tema “You could be mine”, do Guns n’ Roses (na época no auge da carreira), representa bem a rebeldia de John Connor, um jovem claramente perturbado por viver longe dos pais biológicos. Não por acaso, os primeiros minutos de John em cena apresentam o rapaz utilizando um cartão roubado e um programa de computador para sacar dinheiro, falando mal de sua mãe e andando de moto com seu amigo pelas ruas da cidade, reforçando a imagem de “bad boy”. Não é fácil para um jovem ver sua mãe internada num hospício e ser criado por pais adotivos que não demonstram amor por ele.

Interpretado com carisma pelo jovem Edward Furlong, John Connor se esconde sob esta capa de rebeldia, mas claramente se sente desprotegido diante de um mundo hostil e cruel, algo agravado pela conturbada relação com os pais adotivos e pela “loucura” de sua mãe biológica. Até por isso, é compreensível que o jovem encontre no exterminador a figura paterna que tanto lhe faz falta, como notamos na bela cena em que eles brincam no deserto mexicano (reforçada pela desnecessária narração de Sarah). Felizmente, Furlong estabelece boa química com Schwarzenegger, o que é essencial para o sucesso da narrativa. Essencial também é o excelente desempenho de Linda Hamilton, novamente muito bem como Sarah Connor, uma mulher amargurada pelo peso do passado e pela responsabilidade que carrega nos ombros. A atriz se destaca especialmente na excepcional cena da conversa com o psiquiatra que aparece num vídeo gravado, onde transmite toda a amargura e revolta da personagem. Já Robert Patrick cria um vilão aterrorizante através de sua face desprovida de sentimentos e emoções, dando a sensação de que nada poderá deter o seu T-1000. Obstinado e sempre buscando cumprir sua missão, o vilão é a personificação do pior dos pesadelos, alguém que jamais dorme ou descansa, que não sente dor e que se recompõe em questão de segundos, graças ao metal líquido que constitui sua matéria-prima. Ao contrário dele, o exterminador vivido por Arnold Schwarzenegger desenvolve sentimentos ao longo da narrativa, estabelecendo uma interessante relação com John – ele chega a criar um código de ética próprio por causa do garoto, indo diretamente contra sua natureza exterminadora (“Ele viverá”, diz, após atirar nas pernas de um segurança, evitando matá-lo). Aliás, como afirmei na crítica do primeiro filme, o papel do exterminador é perfeito para Schwarzenegger, que encarna muito bem o homem-máquina com seu jeito durão e de poucas palavras, saindo-se bem também nas constantes piadinhas que solta durante a projeção.

Demonstrando completo domínio da narrativa e muita energia na condução das cenas de ação, James Cameron conduz o longa com segurança e em bom ritmo, graças também à montagem de Conrad Buff IV, Dody Dorn, Mark Goldblatt e Richard A. Harris. Observe, por exemplo, como o diretor cria o clima ideal para o encontro entre os exterminadores, sem jamais deixar transparecer as intenções de cada um na busca por John Connor. Momentos antes do primeiro encontro, quando o dono do bar ameaça o exterminador, o plano do pedal da moto descendo indica ao espectador que aquela atitude foi equivocada e custará caro, reforçando a imagem pré-concebida de que T-800 é cruel, algo ilustrado também pela roupa preta e pelos óculos escuros do andróide (figurinos de Marlene Stewart), que ajudam a criar a falsa expectativa de que ele ainda é o vilão. Por isso, no sensacional primeiro encontro entre T-800, T-1000 e John Connor, a câmera lenta de Cameron, além de captar com precisão cada reação, faz o espectador ficar com o coração na boca até o momento em que nossas expectativas são invertidas e T-800 se revela o “protetor” de Connor, provocando o choque na platéia – repare também a referência à banda responsável pela música tema do filme, quando Cameron foca a arma e as rosas no mesmo plano.

Felizmente, as ótimas cenas de ação de “O Exterminador do Futuro 2” não são a razão de existir do longa, servindo apenas como complemento para uma narrativa bem desenvolvida. E entre tantas cenas marcantes, destaca-se a perseguição do T-1000 num caminhão enquanto John foge numa moto e o exterminador persegue ambos em outra moto, onde a alternância entre os planos confere uma dinâmica interessante à cena, e a seqüência da fuga da Cybernet, que também é carregada de adrenalina. Já a tensa seqüência dentro do hospital psiquiátrico é construída lentamente, nos levando até o magnífico reencontro entre T-800 e Sarah, também conduzido em câmera lenta e seguido pela excepcional fuga do trio num carro em marcha ré. Observe como o som diegético trabalha a favor da cena, colaborando na criação do suspense, intensificado pelas realistas mortes durante a fuga de Sarah, em outro momento inspirado de Hamilton, que demonstra força também nas cenas mais agressivas. E finalmente, o esperado confronto entre os exterminadores fecha com chave de ouro as grandes cenas de ação, quando o tiro certeiro de Sarah encerra a passagem de T-1000 pelo passado – e a triste despedida de T-800, com o polegar levantado para John, chega até mesmo a emocionar, por causa da bela relação que eles desenvolveram.

Misturando aspectos de filmes de terror e uma inteligente premissa de ficção-científica, “O Exterminador do Futuro 2” se estabelece como um filme superior ao seu antecessor, utilizando suas empolgantes cenas de ação como complemento para uma narrativa inteligente, que desenvolve personagens complexos e cativantes e deixa uma interessante mensagem. Se nós somos os únicos responsáveis pelo nosso destino, Cameron assegurou o futuro dele no cinema, acertando novamente na escolha e entregando outro filme maravilhoso.

Texto publicado em 19 de Dezembro de 2010 por Roberto Siqueira