ERA UMA VEZ NO OESTE (1968)

(Once Upon a Time in West) 

5 Estrelas

 

Obra-Prima

 

Videoteca do Beto #7

Dirigido por Sergio Leone.

Elenco: Henry Fonda, Charles Bronson, Claudia Cardinale, Jason Robards, Gabriele Ferzetti, Frank Wolff, Paolo Stoppa, Jack Elam, Woody Strode, Keenan Wynn e Lionel Stander. 

Roteiro: Sergio Donati e Sergio Leone, baseado em estória de Dario Argento, Sergio Leone e Bernardo Bertolucci. 

Produção: Fulvio Morsella.

[Antes de qualquer coisa, gostaria de pedir que só leia esta crítica se já tiver assistido o filme. Para fazer uma análise mais detalhada é necessário citar cenas importantes da trama].

Obra superior de um dos maiores diretores que já existiram no cinema mundial, Era uma vez no Oeste se estabelece como um festival de imagens belíssimas que narram uma história maravilhosa e emblemática, servindo de metáfora para o começo da modernização e o fim do mundo mítico do velho oeste. É um canto de despedida de personagens clássicos e de um estilo de vida característico de uma época distinta da sociedade americana. Nas palavras de um personagem em certo momento do filme, é algo que tem a ver com a morte (“Something to do with death”).

Um irlandês visionário compra uma propriedade afastada da cidade em um local que viria a ser no futuro a rota da estrada de ferro. Em virtude do lugar estratégico que se instalou, ele e toda sua família são assassinados por um matador de aluguel. O que ninguém sabia é que este homem havia se casado há pouco tempo atrás com uma prostituta de New Orleans que acaba de chegar à cidade e que passa a ser defendida por um misterioso homem solitário.

Com sua costumeira habilidade e perfeccionismo para construir cenas antológicas, Leone inicia o filme mostrando uma velha estação, protegida por um senhor de idade e uma índia. A trilha sonora sempre competente de Ennio Morricone cede lugar aqui ao som de um moinho de vento que, auxiliado pela lentidão da construção da cena, ajuda a criar um clima crescente e insuportável de tensão. As gotas caindo no chapéu de um pistoleiro, a mosca voando no rosto de outro e o som do telégrafo só aumentam o clima de expectativa. Quando ouvimos o barulho do trem chegando à estação já imaginamos o que está para acontecer. A excelente introdução do filme serve também para introduzir o personagem mais enigmático da narrativa: o Gaita (Charles Bronson). Sua primeira aparição já deixa bem claro para o espectador que se trata de alguém extremamente perigoso. Na cena seguinte, vemos a família que servirá de base para toda a trama e mais uma vez os momentos silenciosos falam mais que as palavras. Somente os olhares daquelas pessoas já nos indicam que algo se aproxima, o que de fato acontece minutos depois. Temos então outra excelente introdução de personagem. Observe como a câmera prolonga ao máximo o momento em que o rosto de Frank é revelado, criando uma enorme expectativa na platéia (movimento também utilizado em outra cena do filme, quando Jill abre uma porta). Além de ter muito estilo, esta introdução tem também um contexto histórico. Em uma época sem internet, as pessoas não sabiam quem faria qual papel nos filmes, e Fonda era um ator marcado por fazer papel de mocinho. Ao apresentá-lo em cena como o cruel bandido, Leone provocou um enorme choque na platéia. A cena termina com uma elipse maravilhosa que corta do som de um tiro para o som dos freios de um trem. Estes são apenas dois exemplos de mais uma espetacular direção de Sergio Leone. Ele alterna closes muito próximos dos rostos dos atores, que são capazes de revelar cada cicatriz, com planos gerais distantes que exploram muito bem as maravilhosas paisagens da região. Além da condução perfeita da narrativa, Leone abusa também da criação de planos e movimentos de câmera cheios de estilo. Em duas oportunidades Jill (Claudia Cardinale) chega à ambientes desconhecidos por ela, e o visual da cena já nos faz sentir isso. Observe como o foco se concentra no rosto da atriz e todo o ambiente atrás dela fica fora de foco. O diretor cria um contraste interessante com o ambiente em que ela está chegando, sempre filmado através de um plano geral e com foco em toda a cena, demonstrando o quanto ela está deslocada e intimidada, ao contrário das outras pessoas que já estavam ali. Leone cria ainda muitos momentos de tensão, como na cena em que a algema presa à Cheyenne (Jason Robards) é cortada.

O diretor italiano demonstra também seu talento na direção de atores, extraindo performances de alto nível. O grande destaque fica para Charles Bronson como o frio e determinado Gaita, sempre com a expressão séria e focado em seu objetivo. Suas introduções em cena com o som da gaita anunciando sua presença são maravilhosas. Henry Fonda também está muito bem como o expressivo vilão Frank. Seu olhar penetrante caiu como uma luva no personagem, que conta ainda com um jeito lento de andar, característico de quem é extremamente autoconfiante. O ponto alto da grande atuação de Jason Robards são os momentos de humor. Cheyenne é um vilão divertido e ambíguo, e Robards transmite essa idéia em muitas cenas com extrema habilidade. Sua conversa com Jill sobre a importância que tem para um trabalhador ver uma mulher linda como ela é hilária. Ele também tem um bom desempenho dramático, como na cena em que diz para Jill que ela o faz lembrar sua mãe. Sua expressão sincera é marcante e estabelece uma conexão com ela, além de conseguir respeito da parte dela. Claudia Cardinale está belíssima como Jill. Sua memorável última cena, quando ela se mistura aos trabalhadores para lhes dar água, é também extremamente simbólica. Seu olhar penetrante fascina os outros personagens, que vão descobrindo aos poucos o poder que aquela mulher tem naquele ambiente hostil. Ela é o centro da narrativa, tudo gira ao seu redor. Interessante notar como os três homens chave da trama têm alguma relação mais intima com ela de diferentes formas. O Gaita é mais violento, Frank mais romântico (com a concessão dela), e Cheyenne é mais bem humorado (e abusado também). Também merece destaque a cena em que Morton (Gabriele Ferzetti) vê o quadro do mar e sente que jamais conseguira ver o que tanto desejava, pois sabe que seu fim está próximo. Ferzetti transmite toda a angústia do personagem através do olhar triste e da respiração pausada.

O roteiro é coeso e aborda temas interessantes como a vingança e o poder do dinheiro, além de mostrar a corrupção que envolvia todo o processo de construção das ferrovias. Os deliciosos diálogos, sempre presentes nos filmes de Leone, não poderiam faltar aqui. Podemos destacar a sensacional conversa entre o Gaita e Cheyenne dentro do bar (“Eu vi três casacos como estes na estação. Dentro dos casacos haviam três homens. Dentro dos três homens, três balas.”), dois excelentes diálogos entre Jill e Cheyenne (quando ele sente que ela pensa em atacá-lo e quando ela explica porque decidiu morar no campo) e uma outra tirada sensacional que faz referência à Judas, recheada de bom humor. Temos também a seqüência em que o atendente de um bar diz que jamais gostou da idéia de morar em uma cidade grande pois prefere a vida tranqüila do campo, o que se revela uma engraçada ironia, já que aquele lugar é perigoso o bastante para não se ter uma vida tranqüila.

O filme conta também com um excelente trabalho de montagem, que permite à narrativa fluir de forma agradável e nunca arrastada. Observe as excelentes transições de planos, como na ocasião em que Cheyenne pergunta à Jill se o café dela é bom. A resposta “nada mal” vem em outra cena, com Morton fazendo uma outra pergunta a Frank. Tonino Delli Colli colabora significativamente para a criação daquele universo através de sua excelente direção de fotografia. As cores que predominam, como preto, bege e marrom, tornam ainda mais árido o ambiente. Ele também conseguiu tornar imperceptível a diferença de cor na poeira das locações, que ficavam em lugares totalmente diferentes (EUA e Espanha). Quando Jill deita em sua cama muito triste pela perda do marido, a fotografia a envolve em cores pretas, numa demonstração visual da escuridão que ela está mergulhada. O belo trabalho de direção de arte cria uma cidade em construção impressionante, vista pela primeira vez em um admirável travelling de Leone, além de cuidar de todos os detalhes dos cenários, como os envelhecidos talheres e toda a mobília da casa de Jill. Os figurinos sensacionais criam todo o ambiente característico do velho oeste, com botas, casacos e cinturões, além dos belos vestidos das mulheres. A maquiagem também é excelente, marcando aqueles rostos queimados pelo sol com perfeição. Ennio Morricone dá mais um show, compondo uma trilha sonora sensacional. Cada personagem tem sua própria e bem característica trilha. Jill tem um tema delicado e arrebatador, com uma melodia lenta e uma voz aguda. Frank tem um tema tenso, com notas pesadas e longas. O tema de Cheyenne é alegre, com notas rápidas e divertidas. Já o Gaita tem um tema sombrio, com notas contínuas e pesadas misturadas ao som de uma gaita estridente.

(se não viu o filme, pule este parágrafo) Como não poderia deixar de ser em um filme de Sergio Leone, o esperado duelo final é conduzido lentamente e com enorme brilhantismo. A câmera alterna planos gerais com closes no rosto dos atores, ao som de uma trilha primorosa que mistura os temas dos dois personagens. A movimentação é orquestrada, e eles vão se posicionando para o duelo lentamente. Os olhares fixos demonstram a tensão daquele momento e o auge acontece através de um close extraordinário que praticamente entra nos olhos do Gaita, seguido de um flash-back que explica porque ele evitou a morte de Frank antes. O prazer da vingança era o seu maior desejo. Observe que após o duelo, quando Frank é baleado, ele está numa posição de comando no plano, com a câmera filmando-o de baixo pra cima. Quando ele cai, imediatamente o Gaita assume esta posição, tomando assim o controle da situação. Frank, agora derrotado, passa a ser filmado de cima pra baixo, e seu último plano, com a gaita na boca, remete visualmente ao motivo de sua perseguição e morte. Toda esta composição visual característica de Leone demonstra sua enorme habilidade como diretor.

Os elementos característicos dos filmes dirigidos por Sergio Leone são utilizados de forma mais perfeita do que nunca nesta produção. O clima tenso e a sensação sempre presente de que aquelas pessoas dificilmente sobreviverão mantém o espectador sempre atento à narrativa. Extremamente bem fotografado e colecionando cenas inesquecíveis, Era uma vez no Oeste é uma fábula lenta e triste sobre o fim de uma era e o início de outra na sociedade americana. À chegada da ferrovia trouxe o progresso para aquelas pessoas, mas trouxe também o fim de um período memorável, recheado de personagens inesquecíveis. Todos estes elementos fazem do filme uma obra-prima marcante e eterna. 

Texto publicado em 18 de Julho de 2009 por Roberto Siqueira

Anúncios

Tags: , , , ,

21 Respostas to “ERA UMA VEZ NO OESTE (1968)”

  1. Ricardo Meneguetti Says:

    Excelente análise sobre o clássico de Sérgio Leone. Um texto muito bem escrito e pertinente, que diz muito sobre o significado e a importância desse filme!

  2. Lucas Says:

    Parabéns pela análise deste clássico. Leone era um gênio! Tem 2 coisas curiosas que sempre aparecem nos filmes dele: Uma grande surra e um velho louco. O diálogo do “Judas” eh antologico!

  3. ERA UMA VEZ NA AMÉRICA (1984) « Cinema & Debate Says:

    […] realizando obras de grande destaque e importância como a famosa “Trilogia dos Dólares” e “Era uma vez no Oeste”. No entanto, talvez o maior desafio de toda a carreira do diretor italiano tenha sido este […]

  4. gerson Says:

    De minha parte lamento muuito que não se produzem espetáculos com esta magia; filme de qualidade indiscutível, excelente western; pra mim o melhor de todos.

    • Roberto Siqueira Says:

      Acho que temos bons filmes atualmente, mas esta magia dos westerns do Leone anda rara realmente.
      Abraço.

  5. Cesar Duarte Says:

    Tudo que poderia ser dito sobre este filme já foi dito. Quase tão bom quanto Três Homens em Conflito, seguramente figura em qualquer lista dos 5 melhores filmes de western de todos os tempos. Primeiro da trilogia Era uma Vez de Leone. Muito se comenta sobre os melhores finais dos filmes. Este com certeza é um dos melhores início de filme de todos os tempos. Leone ussava esses inícios com rara habilidade, fazendo a introdução de forma arrasadora. Jason Robards rouba todas as cenas . E tem Claudia Cardinale, pra mim a mais bela mulher de toda a história do cinema, que sempre preferiu o cinema europeu, mais artístico, em detrimento do comercial cinema americano, talvez por isso não sendo tão conhecida do público em geral. Clássico eterno do cinema. Até mais.

    • Roberto Siqueira Says:

      Olá Cesar,
      Realmente o início é sensacional, assim como todo o filme.
      Grande elenco, Robards muito bem, Cardinale também, além do Fonda é óbvio. E até mesmo Charles Bronson está ótimo. Clássico.
      Obrigado pelo comentário e grande abraço.

  6. MEU ÓDIO SERÁ SUA HERANÇA (1969) « Cinema & Debate Says:

    […] ano depois de Sergio Leone realizar um verdadeiro canto de despedida do western na obra-prima “Era uma Vez no Oeste”, Sam Peckinpah completou o serviço e fez a transição completa do cinema clássico para o […]

  7. Francisco Says:

    Caro Roberto, gostaria de comentar mais alguma coisa sobre este filme maravilhoso e de saber se vc ou algum leitor concordam ou discordam de algumas das minhas observações, tais como: Além da já citada cena de abertura na estação que relembra “Matar Ou Morrer” (High Noon,1952), existem outras tantas (creio eu!) que nos reemete à antigos outros clássicos, exemplo: O filho de McBain brincando de atirar como o garoto Joey em “Os Brutos Também Amam” (Shane,1953)
    ; O clima ameaçador durante a chegada dos bandidos na fazenda dos McBain lembra a cena dos sanguinários pele vermelhas sitiando a casa dos Edwards em Rastros de Ódio (The Searchers, 1956) e a partida (sem destino) do “gaita” no final lembra a última cena de “Os Brutos Também Amam” . Acredito que existem mais citações e homenagens implícitas de Leone neste filmaço, e gostaria que vc e os leitores, se possível, as citassem também! Brigadão e grande abraço !

    • Roberto Siqueira Says:

      É verdade Francisco, as referências existem.
      A diferença é que Leone tratava o western de uma maneira mais operística, prolongando as cenas para aumentar a tensão sem utilizar palavras, principalmente nos momentos que antecedem os duelos.
      Grande abraço.

  8. Anônimo Says:

    Agradeço suas palavras elogiosas, Roberto, mas meu conhecimento sobre cinema é um tanto limitado…quem me dera, rsrs…pra vc ter uma idéia, nem gostei tanto de “Era Uma Vez..” quando assisti no cinema em 1971, até extranhei seu rítmo lento , confesso. Aprendi a gostar realmente deste clássico e valorizá-lo só depois de tê-lo revisto umas 8 vezes ao longo das décadas seguintes, onde pude apreciar suas geniais sutilezas em cada cena filmada pelo mestre Leone. Enfim demorei um longo tempo, mas valeu…e hoje fico feliz em poder compartilhar com vc e os leitores este sêlo de “Obra prima” ! Obrigado por mais esta oportunidade…um abraço !

  9. Imagens: Era uma Vez no Oeste (1968) « Cinema & Debate Says:

    […] Seguindo o projeto de atualização das críticas com imagens, já podem conferir a crítica de Era uma Vez no Oeste (1968), agora devidamente ilustrada. Vale lembrar que o texto permanece o mesmo do dia de […]

  10. francisco Says:

    Mais um grande comentário e de extrema sensibilidade ! É interessante observar também que Leone parece que queria fazer o western “definitivo” da história do cinema e que na minha opinião o conseguiu. E para isso prestou algumas homenagens implícitas à velhos clássicos do gênero, como a da cena inicial na estação, lembrando “High Noon” (1952). Esta sequencia onde os 3 pistoleiros aguardam o “gaita” e o sutil e genial diálogo que se segue entre os 4, antes do espetacular duelo, por si só bastaria para fazer deste filme um clássico absoluto. O que vem depois é lucro ! Um abraço e obrigado pela oportunidade !

    • Roberto Siqueira Says:

      É verdade Francisco. “Era uma vez no Oeste” consegue ser uma sucessão de cenas antológicas, como esta da estação de trem, a primeira aparição de Frank, a chegada de Jill à cidade, etc… Um verdadeiro clássico, é cinema de primeira qualidade. E ainda tem a trilha maravilhosa do Morricone.
      Grande abraço e obrigado por mais este comentário que demonstra seu conhecimento sobre cinema.

  11. Platoon Says:

    PET & BIG

    • Roberto Siqueira Says:

      Não sei quem é, mas tenho muita saudade da galera da ETE. Por favor, se identifique: Chico, ou Ciro, ou Turista?? rs

  12. CELSO DANIEL DA SILVA Says:

    Roberto,
    Excelente texto. Caso você tenha conhecimento, qual o nome da cidade nos arredores de Almeria, Espanha, que se encontram os sets de filmagens do grande Era uma vez…
    Grato e um abraço.

    • Roberto Siqueira Says:

      Muito obrigado Celso.
      Me parece que o deserto fica em Almeria mesmo, mas em todo caso vou rever os Extras do DVD e confirmo posteriormente, ok?
      Seja Bem vindo ao Cinema & Debate e volte sempre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: